23:44 14 Julho 2020
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    273710
    Nos siga no

    Nesta sexta-feira (24), o diretor-geral da Polícia Federal (PF), Maurício Leite Valeixo, foi exonerado do cargo em decreto assinado pelo presidente Jair Bolsonaro.

    Maurício Leite Valeixo foi levado ao cargo pelo ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, que na quinta-feira (23) ameaçou pedir demissão se o presidente exonerasse Valeixo, informa G1.

    A declaração sobre o decreto foi publicada no Diário Oficial da União. Até o momento, não há relatos sobre um substituto para o comando da PF.

    Oficialmente, a assessoria do Ministério da Justiça nega que Moro tenha chegado a pedir demissão, sem dar mais detalhes sobre as recentes tensões entre o ministro e o presidente.

    Na tarde da quinta-feira (23), de acordo com o Valor Econômico, diante do posicionamento do chefe da pasta da Justiça, Bolsonaro havia aceitado segurar, por ora, a demissão de Valeixo, em troca da permanência de Moro, que, por sua vez, teria manifestado o desejo de participar da escolha do novo comandante da PF nos próximos meses.

     O presidente Jair Bolsonaro com o ministro da Justiça, Sergio Moro, em cerimônia em Brasília
    © Folhapress / Pedro Ladeira
    O presidente Jair Bolsonaro com o ministro da Justiça, Sergio Moro, em cerimônia em Brasília

    O ministro da Justiça anunciou a escolha do diretor-geral da PF em novembro de 2018, antes de Bolsonaro tomar posse do governo.

    Valeixo foi superintendente da Polícia Federal no Paraná durante a operação Lava Jato, quando Moro era juiz federal responsável pelos processos da operação na primeira instância.

    Mais:

    Sergio Moro diz que permanece no cargo
    Rumores na imprensa indicam que Moro teria pedido demissão após reunião com Bolsonaro
    Bolsonaro desiste de mudança no comando da PF para manter Moro, diz jornal
    Tags:
    Ministério da Justiça e Segurança Pública, exoneração, Jair Bolsonaro, Polícia Federal, Sergio Moro
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar