10:45 27 Maio 2020
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    646
    Nos siga no

    O governo federal aumentou para 300 unidades o limite de compra de munições por pessoas físicas autorizadas a adquirir ou portar arma de fogo no Brasil.

    A decisão foi publicada nesta quinta-feira (23) em uma Portaria Interministerial n° 1.634/2020, dos ministérios da Defesa e da Justiça e Segurança Pública, no Diário Oficial da União.

    O documento especifica os limites a serem respeitados de acordo com a categoria profissional e o tipo de arma.

    Em outra portaria publicada em janeiro, o governo havia determinado um limite de 200 unidades por arma de fogo para pessoas físicas e 600 unidades por arma para integrantes de órgãos de segurança e instituições previstas no Estatuto do Desarmamento, sem especificar os calibres.

    De acordo com a nova portaria publicada ficam estabelecidos os seguintes limites de compra, por arma de fogo:

    • Pessoas físicas:
      - até 300 unidades de munição esportiva calibre .22 de fogo circular;
      - até 200 unidades de munição de caça e esportiva nos calibres 12, 16, 20, 24, 28, 32, 36 e 9.1mm;
      - até 50 unidades das demais munições de calibre permitido;
    • Integrantes de órgãos e instituições prevista no Estatuto do Desarmamento e por legislação especial:
      - até 300 unidades de munição esportiva calibre .22 de fogo circular;
      - até 200 unidades de munição de caça e esportiva nos calibres 12, 16, 20, 24, 28, 32, 36 e 9.1mm; e
      - até 100 unidades das demais munições de calibre permitido.
      - até 50 unidades de munições de calibre restrito.

    Mais:

    Bolsonaro cometeu fraude processual ao editar decreto de armas, diz Instituto Sou da Paz
    Dodge pede que STF derrube decretos de Bolsonaro sobre posse de armas
    Bom ou ruim? Registro de armas de uso pessoal 'explode' no governo Bolsonaro
    Maior destróier do mundo da Marinha dos EUA terá em breve armas funcionais
    Tags:
    Jair Bolsonaro, munições, munição, Brasil, arma de fogo
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar