03:26 03 Junho 2020
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    Brasil lidando com COVID-19 em meados de abril de 2020 (77)
    1085
    Nos siga no

    Ao anunciar o prolongamento da quarentena em São Paulo para 10 de maio devido à epidemia do novo coronavírus, o governador do estado, João Doria (PSDB), disse que não iria brigar com a "ciência". 

    "Aqui não brigamos com a ciência, e a orientação da ciência foi para prorrogar a quarentena", disse Doria nesta sexta-feira (17), segundo a agência Estadão Conteúdo. 

    O anúncio foi feito após o governador se reunir com membros do Centro de Contingência do Coronavírus de São Paulo. 

    De acordo com Doria, a medida tem o objetivo de evitar o colapso do sistema de saúde de São Paulo. O estado está sob quarentena desde 22 de março. O término das medidas restritivas estava previsto para 22 de abril. 

    "Há um mês tínhamos a primeira morte em São Paulo. Hoje são 853 mortes no estado [número atualizado para 928]. Infelizmente, os casos estão em expansão. As UTIs e enfermarias dos hospitais públicos e privados estão recebendo um número maior de pacientes a cada dia e já temos alguns hospitais à beira do seu limite. A atitude responsável do governo é pela prorrogação dessa quarentena para evitar o colapso no atendimento da saúde pública", afirmou Doria, segundo o jornal O Globo. 

    Medidas 'irresponsáveis'

    O tucano disse ainda que o governo de São Paulo não toma medidas "irresponsáveis ou fundamentadas em ideologia", mas age "conforme a ciência determina".

    Especialistas apontam que maio será o mês de pico da epidemia da COVID-19 no estado. O novo período de quarentena terá as mesmas regras do atual. 

    "São Paulo acredita na ciência e quero voltar a reafirmar que São Paulo confia nos médicos que salvam vidas. Pelo amor à vida, às pessoas e por respeito à medicina, nós prorrogamos essa quarentena", disse Doria.

    Estado tem 12.841 casos da COVID-19

    O estado, que é o mais afetado pela epidemia do vírus, tem 12.841 casos confirmados, com 928 mortes, segundo último balanço do Ministério da Saúde. 

    No Brasil, são 33.682 casos confirmados e 2.141 óbitos. 

    Na quinta-feira (16), o presidente Jair Bolsonaro demitiu o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta. Para seu lugar, foi chamado o oncologista Nelson Teich. 

    O presidente vem defendendo flexibilizar as medidas de isolamento social impostas em várias cidades e estados do país, e o governador de São Paulo se tornou um dos seus principais alvos de críticas.

    Tema:
    Brasil lidando com COVID-19 em meados de abril de 2020 (77)

    Mais:

    Gorbachev: cortar gastos militares é 'o mínimo' que líderes mundiais podem fazer contra COVID-19
    Projeto da Câmara quer obrigar governo Bolsonaro a testar em massa vítimas da COVID-19
    Ministro da Saúde precisa se alinhar com Bolsonaro, sem ferir aspectos técnicos adotados, diz médico
    Equador registra 421 mortes por COVID-19 após confirmação de 18 novas vítimas
    Tags:
    ciência, Ministério da Saúde, Jair Bolsonaro, João Doria, epidemia, pandemia, COVID-19, São Paulo, novo coronavírus
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar