22:57 26 Setembro 2020
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    Brasil lidando com COVID-19 em meados de abril de 2020 (77)
    1091
    Nos siga no

    Descartada pelo ex-ministro da Saúde Luiz Henrique Mandetta em 18 de março, em coletiva ao lado do presidente Jair Bolsonaro, a obrigatoriedade da testagem em massa de pessoas que apresentem sintomas do novo coronavírus está em discussão na Câmara dos Deputados.

    O autor do projeto é o deputado federal Marreca Filho (Patriota-MA). Na justificativa da proposta, o "objetivo é a detecção precoce de casos sintomáticos na tentativa de bloquear a transmissão interpessoal pelo isolamento dos doentes".

    "Tal medida já foi adotada com relativo sucesso em outras partes do mundo e permanece ainda como uma recomendação da Organização Mundial da Saúde", prossegue o parlamentar.

    "A testagem em massa permitirá à pessoa saber seu estado de saúde e assim adotar as medidas preconizadas pelas autoridades sanitárias, como ser mais diligente na higienização das mãos e na adoção voluntária do isolamento social absoluto", completou Filho.

    Nelson Teich (à esq.), cumprimenta o ex-ministro da pasta, Luiz Henrique Mandetta
    © AP Photo / Andre Borges
    Nelson Teich (à esq.), cumprimenta o ex-ministro da pasta, Luiz Henrique Mandetta

    Segundo especialistas, a testagem em massa permite que medidas preventivas sejam adotadas com rapidez, diminuindo o número de óbitos e direcionando as políticas públicas do setor de saúde. A Coreia do Sul e a Alemanha são dois exemplos de sucesso com a medida.

    No Brasil, o novo ministro Nelson Teich defendeu a testagem em massa, mas explicou que isso não significa testar toda a população brasileira. O dono do posto até a quinta-feira (16), Luiz Henrique Mandetta, passou a defender uma maior testagem nas últimas semanas.

    Porém, em 18 de março, em uma coletiva ao lado de Bolsonaro e vários outros ministros no Palácio do Planalto, Mandetta descartou a testagem em massa, afirmando que seria um desperdício de recursos públicos.

    O projeto já está nas mãos do presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), para prosseguir com o seu andamento.

    Tema:
    Brasil lidando com COVID-19 em meados de abril de 2020 (77)

    Mais:

    Coronavírus pode sobreviver por muito tempo a altas temperaturas, revela estudo
    Gorbachev: cortar gastos militares é 'o mínimo' que líderes mundiais podem fazer contra COVID-19
    Mandetta sai fortalecido após demissão e sensação de desamparo aumenta, diz cientista política
    Tags:
    Alemanha, Coreia do Sul, OMS, Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, Jair Bolsonaro, novo coronavírus, COVID-19, saúde, Ministério da Saúde, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar