02:44 07 Março 2021
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    130
    Nos siga no

    A Petrobras pagou R$ 246 bilhões em tributos e participações governamentais no Brasil em 2019, mediante os R$ 378,4 bilhões de receita bruta obtidos pela estatal no ano.

    A informação foi publicada na noite de quarta-feira (15) em um Relatório Fiscal da empresa.

    "É com muita satisfação que divulgamos pela primeira vez nosso relatório de tributos, mostrando nossa importante contribuição à sociedade brasileira, na forma de pagamento de tributos, participações governamentais e nos leilões de novas áreas de exploração e produção de petróleo e gás natural", escreveu na apresentação do documento a Diretora Executiva Financeira, Andrea Marques de Almeida.

    Em 2018, a Petrobras desembolsou um total de R$ 182,4 bilhões em tributos e participações, com uma receita bruta de R$ 376,1, ou seja, em 2019 registrou um crescimento de 34,91%.

    Do total pago, R$ 98 bilhões foram em tributos próprios, R$ 39,3 bilhões em tributos retidos de terceiros e R$ 108,7 bilhões em participações governamentais. Essa rubrica teve um aumento de 161%, comparando com 2018, com a diferença concentrada no governo federal.

    Esta última rubrica contempla o valor de R$ 68,6 bilhões recolhidos em Bônus de Assinatura, com destaque para os R$ 61,4 bilhões das Licitações do Excedente da Cessão Onerosa do Campo de Búzios e R$ 1,7 bilhões do Campo de Itapu, além dos bônus da 6ª Rodada de Partilha de Produção e da 16ª Rodada de Concessão, que somaram R$ 5,5 bilhões. Os royalties somaram R$ 18 bilhões.

    "A Petrobras é o maior contribuinte do país, de longe. Se a Petrobras for dirigida de forma responsável contribui para o desenvolvimento da sociedade, porque esse montante vai financiar educação, investimento em saneamento básico, segurança pública e saúde, todos os fins que o Estado deve dar", declarou na introdução ao relatório o presidente da estatal, Roberto Castello Branco.
    Tags:
    economia, tributos, Petrobras, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar