11:05 23 Setembro 2020
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    Brasil lidando com COVID-19 em meados de abril de 2020 (77)
    10157
    Nos siga no

    O governador do estado de São Paulo, João Doria (PSDB), lamentou a possibilidade do ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, deixar o cargo a qualquer momento, seja por um pedido de desligamento ou pelo mais provável, a demissão ordenada pelo presidente Jair Bolsonaro.

    "Pelo governo de São Paulo é o desastre se tivermos a saída do ministro e de seus secretários. O ministro vem demonstrando responsabilidade, apoio técnico e respeito à ciência e à orientação da Organização Mundial de Saúde. Se houver saída entendo como um desastre e risco para a saúde público do país", declarou Doria nesta quarta-feira (15).

    Na mesma entrevista, concedida no Palácio dos Bandeirantes, sede do governo paulista, o governador tucano expressou pesar pela saída do secretário de Vigilância da pasta, Wanderson de Oliveira, confirmada minutos antes da sua coletiva.

    Chamado de "guerreiro" por Doria, Oliveira já havia informado a equipe do Ministério da Saúde responsável pelas medidas contra o novo coronavírus que a gestão de Mandetta já havia acabado, e que não se sabia ao certo o que o governo Bolsonaro quer fazer daqui para frente.

    Outro a elogiar Mandetta foi o secretário estadual de Saúde, José Henrique Germann, que classificou a possibilidade do ministro ser demitido como um "erro estratégico".

    Governador de SP João Doria ao lado do presidente Jair Bolsonaro durante evento em Brasília
    © AP Photo / Eraldo Peres
    Governador de SP João Doria ao lado do presidente Jair Bolsonaro durante evento em Brasília

    Mais cedo nesta quarta-feira, Bolsonaro falou com apoiadores em frente ao Palácio da Alvorada e comentou apenas que está na hora de resolver a questão da saúde no país e seguir em frente, sem dar maiores detalhes. Ele se recusou a conversar com os jornalistas.

    Desde o início da crise da COVID-19 o antagonismo entre Bolsonaro e Doria – que estiveram próximos nas eleições de 2018, apesar de serem de partidos diferentes à época – apenas aumentou. O governador de São Paulo sempre foi favorável ao isolamento social durante a crise, enquanto o presidente em mais de uma oportunidade menosprezou a doença, chamando-a de "gripezinha" e pregando a retomada do comércio para salvar empregos.

    Tema:
    Brasil lidando com COVID-19 em meados de abril de 2020 (77)

    Mais:

    No dia em que Brasil registra 99 mortes pela COVID-19, Bolsonaro diz que vírus começa a 'ir embora'
    Mandetta alfineta Bolsonaro: brasileiro não 'sabe se escuta' o ministro ou o presidente
    Bolsonaro veta uso de celulares para monitorar isolamento social no Brasil
    Tags:
    política, isolamento, OMS, novo coronavírus, COVID-19, saúde, João Doria, Jair Bolsonaro, São Paulo, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar