04:04 30 Maio 2020
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    Brasil enfrenta COVID-19 (101)
    6114
    Nos siga no

    O governador do estado de São Paulo, João Doria (PSDB), acusou o presidente Jair Bolsonaro de ter "lavado as mãos", e não no bom sentido, para a crise do novo coronavírus no Brasil. O recente embate acalorado entre os dois gerou uma ameaça de morte contra o tucano.

    Aliado de Bolsonaro nas eleições passadas, Doria veio rompendo gradativamente com o ex-deputado federal ao longo do ano passado, com o ápice se dando com a atual crise da COVID-19, na qual São Paulo é o estado com mais vítimas infectadas (3 mil) e mortes registradas (77).

    Nesta semana, Bolsonaro e Doria tiveram um forte embate durante uma videoconferência para tratar do coronavírus entre o Executivo federal e os governadores da região sudeste. Enquanto o tucano pediu que o presidente lidere os esforços, o mandatário atacou Doria por estar politizando a situação de olho nas eleições de 2022.

    Em entrevista à agência AFP, Doria garantiu que não está "preocupado com capital político", mas sim com "salvar vidas". Sobre o que poderia ser feito pelo governo federal, o governador de São Paulo avaliou que há uma série de mecanismos que não estão sendo usados.

    "O Brasil tem mecanismos, principalmente se o governo federal agir, para lançar um programa de gastos emergenciais que garanta uma renda mínima para que os brasileiros possam passar pelos próximos quatro meses [...] E mesmo que o governo federal falhe para agir, cada governador saberá como acelerar", disse Doria.

    O tucano voltou a acusar Bolsonaro pela sua falta de liderança, deixando o ônus para governadores e prefeitos.

    Rua de Niterói é desinfetada devido ao surto de coronavírus, 25 de março de 2020
    © REUTERS / Pilar Olivares
    Rua de Niterói é desinfetada devido ao surto de coronavírus, 25 de março de 2020

    "O presidente lavou as mãos da crise e não está liderando o país [...] Mas essa falta de liderança foi preenchida por governadores e prefeitos que trabalharam duro para garantir que estão cuidando dos pobres, desempregados, pequenas empresas e trabalhadores do setor informal", garantiu.

    O governador paulista ainda garantiu que os governadores estão unidos em manter as medidas de distanciamento social, refutando os pedidos feitos por Bolsonaro para que o isolamento seja rompido no país.

    "Houve uma falta real de liderança. O presidente desistiu de liderar o país em um momento muito difícil [...] Ele diz que o coronavírus é uma 'gripezinha' e acusa os governadores de paralisar o país. Mas a grande maioria das pessoas entende a importância desse período [de isolamento], que pode durar até o final de julho", completou.

    Ameaça de morte

    A polarização entre Bolsonaro e Doria fez com que o governador de São Paulo recebesse uma ameaça de morte. Além disso, ele recebeu mensagens em seu celular que o alertavam sobre uma invasão contra a sua casa, de acordo com informações do jornal Folha de S. Paulo.

    A segurança do governador foi reforçada e Doria fez um boletim de ocorrência que será investigada pela Polícia Civil. Segundo a Folha, citando assessores do tucano, as ameaças teriam partido de um movimento bolsonarista, este liderado pelo filho do presidente, o vereador Carlos Bolsonaro (PSC).

    Tema:
    Brasil enfrenta COVID-19 (101)

    Mais:

    COVID-19: médico diz que Bolsonaro está 'iludido' e não garante eficácia da cloroquina
    Bolsonaro é alvo de novo panelaço (VÍDEOS)
    Bolsonaro anuncia corte de impostos para medicamento sem eficácia comprovada contra COVID-19
    Tags:
    saúde, Carlos Bolsonaro, novo coronavírus, COVID-19, política, João Doria, Jair Bolsonaro, São Paulo, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar