03:50 24 Outubro 2020
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    Brasil enfrenta COVID-19 (101)
    474
    Nos siga no

    O presidente Jair Bolsonaro anunciou na manhã desta quinta-feira a isenção de impostos de importação de duas substâncias que até o momento não têm eficácia comprovada no combate contra o novo coronavírus.

    "Com o objetivo de facilitar o combate ao coronavírus, zeramos o Imposto de Importação da cloroquina e da azitromicina, para uso exclusivo de hospitais em pacientes em estado crítico. Essa redução também se estende a outros produtos e vai fazer toda a diferença em nossa luta!", escreveu o presidente em suas redes sociais.

    Bolsonaro ainda anunciou a suspensão temporária dos direitos antidumping para importações de seringas descartáveis e tubos para coleta de sangue.

    "Assim, poderemos adquirir esses equipamentos essenciais por preços menores e deixá-los acessíveis para a população mais vulnerável", acrescentou o mandatário brasileiro.

    O uso da cloroquina, uma droga utilizada originalmente contra a malária, o lúpus e a artrite, e do antibiótico azitromicina não são reconhecidas pela comunidade científica como comprovadamente eficazes no combate à COVID-19 até aqui.

    Alinhamento com Trump

    O que iniciou o frisson em torno das duas substâncias foi um estudo francês publicado no começo de março na revista International Journal of Antimicrobial Agents. Com uma amostragem diminuta de pacientes, o estudo apontou que a cloroquina e a sua derivada, a hidroxicloroquina, como "armas disponíveis na luta contra o coronavírus".

    Por outro lado, nesta semana um estudo chinês destacou que a hidroxicloroquina se mostrou ineficaz no tratamento da pandemia, apresentando dados semelhantes ao tratamento regular. Embora tais trabalhos iniciais se mostrem conflitantes, foi o bastante para o presidente dos EUA, Donald Trump, exaltar as substâncias como eficazes contra o novo coronavírus.

    Bolsonaro seguiu o seu alinhamento com Trump e passou a exaltar a cloroquina, afirmando que determinou o aumento da produção da substância no Brasil. Ele ainda citou o trabalho de estudo da cloroquina e derivados que está sendo feito pelo Hospital Albert Einstein. Na quarta-feira, um médico envolvido no trabalho pediu calma.

    "Por enquanto é apenas uma ilusão, tanto para [Bolsonaro] quanto para Trump [...] Em algumas semanas, com um pouco de sorte, poderemos dizer, primeiro se funciona, depois para quem trabalha e em que condições. Estou torcendo para que funcione, eu e todos os outros", declarou Luiz Vicente Rizzo, médico do Hospital Albert Einstein.
    Comprimidos de hidroxicloroquina estão sendo tratados como a salvação contra a COVID-19
    © AP Photo / Gabinete dos Advogados dos EUA
    Comprimidos de hidroxicloroquina estão sendo tratados como a "salvação" contra a COVID-19

    A Organização Mundial da Saúde (OMS) lançou um estudo internacional intitulado Solidariedade, no qual a comunidade científica internacional colabora na busca por substâncias que possam ajudar no combate ao coronavírus. O trabalho, porém, não apresenta conclusões até o momento.

    Quatro dias após dizer que a cloroquina poderia causar lesões auditivas sérias, incluindo a surdez, o ministro da Saúde Luiz Henrique Mandetta e sua equipe liberaram o uso da cloroquina em pacientes graves hospitalizados.

    "Estamos deixando a cloroquina à mão do médico como mais um reforço no atendimento a paciente grave hospitalizado", afirmou o ministro. O medicamento é chamado pela pasta como "alternativa terapêutica de curto prazo", e não deve ser usado por mais do que cinco dias.

    Nos Estados Unidos, um homem que se medicou com cloroquina sem orientação médica morreu nesta semana.

    Tema:
    Brasil enfrenta COVID-19 (101)

    Mais:

    Número de casos de coronavírus confirmados no Brasil passa de 2 mil
    Crise do coronavírus mostra 'desidratação' de Bolsonaro, diz cientista político
    Coronavírus: Embraer ajuda com peças para respiradores no combate à COVID-19
    Tags:
    saúde, tratamento, Ministério da Saúde, medicamentos, Donald Trump, Jair Bolsonaro, novo coronavírus, COVID-19, França, Estados Unidos, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar