04:07 10 Julho 2020
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    Por
    7466
    Nos siga no

    "Inútil", "Irresponsável" e "isolado" foram adjetivos usados por parlamentes e especialistas entrevistados pela Sputnik Brasil para classificar o comportamento de Jair Bolsonaro na crise do coronavírus.

    Por outro lado, a pandemia da COVID-19, nome da doença provocada pelo vírus, alçou ao protagonismo político um ministro até então discreto, Luiz Henrique Mandetta, que vem tendo desempenho elogiado até por críticos do governo.

    Segundo o deputado federal Marcelo Calero (Cidadania-RJ), o ministro da Saúde "tem tido uma atuação técnica positiva, que destoa dos outros ministros e do presidente".

    "Ele tem assumido um papel de liderança essencial num momento de crise, deixando as pessoas informadas", afirmou o parlamentar à Sputnik Brasil.

    'Sabotado pelo presidente'

    "Acho que por isso está sendo sabotado pelo presidente", opinou o deputado. Segundo matéria publicada na Folha de S.Paulo, Bolsonaro estaria cobrando de Mandetta um discurso mais afinado ao seu.

    Nos primeiros momentos da pandemia, o chefe de Estado disse que havia uma "histeria" sobre o coronavírus e que o problema estava sendo "superdimensionado". Depois, passou a reconhecer a gravidade da situação.

    O ministro da Economia do Brasil, Paulo Guedes (à esquerda) e o presidente brasileiro, Jair Bolsonaro (à direita), usam máscaras cirúrgicas durante coletiva de imprensa do governo sobre as medidas para combater a crise causada pelo novo coronavírus no país.
    © REUTERS / Adriano Machado
    Ministro da Economia, Paulo Guedes, e presidente Jair Bolsonaro com máscaras durante coletiva de imprensa sobre coronavírus

    O especialista em infectologia e saúde pública Gerson Salvador disse que o Ministério da Saúde e Mandetta "têm divulgado os casos de coronavírus de maneira bastante transparente, tomando medidas baseadas em evidências e suportadas pela equipe técnica, que é bastante competente".

    "As campanhas de higiene das mãos e para desmitificar fake news são todas razoáveis e em acordo com o que outros países têm feito, com diferentes graus de sucesso. Estamos vivendo uma pandemia, a própria OMS [Organização Mundial da Saúde] diz que não é possível evitar que o vírus circule, as estratégias são para mitigar os efeitos do vírus", disse à Sputnik Brasil.

    'Travados pela postura do Bolsonaro'

    Mas para o ex-ministro da Saúde e deputado federal Alexandre Padilha (PT-SP), a pasta e seu ministro "estão travados pela postura de Bolsonaro, que trata a pandemia do coronavírus como se fosse uma fantasia, como ele mesmo disse, ou uma histeria de governadores e profissionais da área de saúde".

    "Diariamente o Ministério e Mandetta têm que apagar incêndios provocados pelo presidente Bolsonaro", disse Padilha à Sputnik Brasil.

    Para o petista, o comportamento do presidente faz com que o governo não consiga disponibilizar mais leitos em hospitais, colocar mais médicos em unidades de saúde básica e reforçar a capacidade de realização de diagnósticos e de acesso aos medicamentos.  

    'Psicopatia do presidente'

    Se elogia o ministro da Saúde, Calero disse que Bolsonaro tem se mostrado um "completo inútil" diante do quadro atual, crise que demonstraria sua "total incapacidade".

    "A situação mostra a psicopatia do presidente, ele não suporta ninguém que possa lhe fazer sombra. Quem tem visões diferentes da dele é alvejado. Não está preocupado com questões técnicas, está preocupado com o poder, quer politizar a situação. Vê que o Mandetta é respeitado e se incomoda", afirmou o ex-mininstro da Cultura.

    "Na crise os lideres crescem. Todos os defeitos que as pessoas não viam em Bolsonaro durante a campanha e durante o primeiro ano de mantado estão sendo revelados", acrescentou.

    Alexandre Padilha, por sua vez, argumentou que Bolsonaro está ficando "isolado da sociedade", e também considerou que não tem capacidade de "liderança".

    "Bolsonaro não respeita o isolamento sanitário que lhe é estabelecido, e acaba abraçando um isolamento político e social. Cada vez mais, só consegue liderar para sua base mais fundamentalista, terraplanista, obscurantista, não dá conta de liderar o país nesse momento grave do ponto de vista econômico e sanitário, que exige uma liderança que agregue o pais, que lidere os atores econômicos e sociais para o enfrentamento dessa crise", criticou Padilha. 

    'Está atrapalhando'

    O infectologista Gerson Salvador concorda com o argumento de que o presidente tem atrapalhado na gestão da pandemia do coronavírus.

    "Não é que ele pode atrapalhar, ele está atrapalhando. Está sendo absolutamente irresponsável, quando menospreza os efeitos da pandemia nas suas redes sociais e ao ter ido em um ato público quando o Ministério da Saúde recomendou que as pessoas evitassem aglomerações", disse o especialista.

    Mais:

    Panelaço contra Bolsonaro mostra que população sabe da gravidade da COVID-19, diz especialista
    O que políticos e personalidades do Brasil acham da briga com China, iniciada por Eduardo Bolsonaro?
    Espanha e Brasil: 2 enfoques diferentes diante do coronavírus
    Alcolumbre é internado para observação em hospital após testar positivo para o novo coronavírus
    Lidando com coronavírus à maneira chinesa
    Tags:
    Ministro da Saúde, saúde, Alexandre Padilha, Marcelo Calero, crise, infecção, epidemia, OMS, Jair Bolsonaro, COVID-19, pandemia, novo coronavírus
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar