17:58 13 Agosto 2020
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    Por
    24476
    Nos siga no

    A quarta-feira (18) foi marcada por desavença entre Eduardo Bolsonaro e a China, maior parceira comercial do Brasil. Personalidades e políticos brasileiros deram sua opinião ao impasse que sacudiu a web.

    Em meio à crise mundial impulsionada pelo novo coronavírus, o deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) retweetou uma publicação no Twitter, culpando o Partido Comunista da China pela pandemia de coronavírus.

    Não demorou muito para o filho do presidente do Brasil Jair Bolsonaro ser revidado pela Embaixada da China no Brasil, que o classificou como "uma pessoa sem visão internacional nem senso comum", e pelo embaixador chinês Yang Wanming, que exigiu um pedido de desculpa.

    A desavença agitou o Twitter, colocando "China", com 1,2 milhão de tweets, "Eduardo Bolsonaro", com 50 mil tweets, e #VirusChines, com 65 mil tweets, na lista dos assuntos mais comentados desta quinta-feira (19).

    A onda de comentários infestou a web, e saiu recheada de tweets de políticos e personalidades do Brasil, com posicionamentos contrários e favoráveis à postura do filho de Bolsonaro.

    O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), pediu desculpas à China pelas "palavras irrefletidas" de Eduardo Bolsonaro.

    ​O senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP) não gostou nem um pouco da atitude de Eduardo Bolsonaro e escreveu que "enquanto o mundo se une, a família Bolsonaro nos afasta".

    ​O deputado estadual Douglas Garcia (PSL-SP) apoiou o filho do presidente, que é também do partido PSL, e usou um tweet do político britânico Nigel Farage, para mostrar que não só Eduardo Bolsonaro acha que a culpada pela pandemia é a China.

    ​A jornalista Patrícia Lélis desaprovou a atitude de Eduardo Bolsonaro, escrevendo que acreditar que a China criou o coronavírus "é a mesma coisa que acreditar em Terra plana", e adicionando o tweet da embaixada chinesa.

    ​Igor Araújo, que é lutador de artes marciais, afirmou que "não tem como defender a China".

    ​O colunista da Veja, Ricardo Noblat, acredita que nunca se tratou de uma resposta de um embaixador, mas, sim, de uma nação, no caso, da nação chinesa.

    ​A jornalista da Folha, Patricia Campos Mello, ressaltou a crise diplomática Brasil-China iniciada por Eduardo Bolsonaro e repostou o tweet do embaixador da China.

    ​A diretora Petra Costa, que concorreu ao Oscar na categoria Melhor Documentário com "Democracia em Vertigem", escreveu que a "embaixada da China deu uma das melhores respostas da história da diplomacia".

    ​O deputado estadual André Fernandes (PSL-CE) chamou Rodrigo Maia de "canalha" por ter entrado em defesa do embaixador chinês.

    ​O deputado federal Alexandre Frota (PSDB-SP) chamou Eduardo Bolsonaro de "irresponsável filhinho de papai".

    ​Principal parceiro comercial do Brasil

    Tendo importado do Brasil entre janeiro e outubro de 2019 US$ 51,53 bilhões, a China é uma das principais fontes de investimento estrangeiro no Brasil.

    As áreas brasileiras que mais recebem investimento chinês correspondem aos setores de infraestrutura e de óleo e gás. Mas os setores financeiro, de serviços e de inovação ganham participação de destaque de capital chinês.

    Mais:

    Eduardo Bolsonaro contraiu 'vírus mental' em Miami, diz embaixada da China no Brasil
    Teste em Jair Bolsonaro ainda não foi concluído, diz Eduardo
    Coronavírus deverá fazer cair investimento chinês no Brasil, diz analista
    Tags:
    Relações diplomáticas, China, Eduardo Bolsonaro
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar