06:35 27 Novembro 2020
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    20235
    Nos siga no

    Um legislador que diz que o Brasil não está fazendo o suficiente para combater a corrupção política desenfreada apresentou na terça-feira um projeto de lei que puniria qualquer político condenado por corrupção com amputação de ambas as mãos.

    A proposta legislativa não deve avançar no Congresso Nacional, onde dezenas de parlamentares estão sob investigação por corrupção e lavagem de dinheiro.

    O deputado federal Emerson Petriv, mais conhecido por seu nome político de Boca Aberta, disse que uma medida tão drástica é necessária em um país farto da corrupção generalizada cometida com impunidade.

    "É uma lei chocante, mas infelizmente a maioria dos políticos rouba o dinheiro dos contribuintes", afirmou ele por telefone. Nos países árabes, ninguém rouba nada por medo de cortar a mão, acrescentou.

    Petriv garantiu que havia apoio público à sua proposta, mas, para ser aprovado, o projeto precisaria do apoio de parlamentares que não foram pegos roubando.

    O Brasil prendeu dezenas de empresários e políticos no maior escândalo de corrupção do país conhecido como Operação Lava Jato, mas muitos foram libertados, incluindo o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que foi condenado por receber propina.

    O atual presidente Jair Bolsonaro foi eleito em uma plataforma anticorrupção que promete limpar a política brasileira. Entretanto, ele segue envolto pelo caso Fabrício Queiroz, ex-assessor do senador Flávio Bolsonaro e acusado de receber recursos de funcionários do gabinete.

    Mais:

    Bolsonaro 'diminuiu importância' de Moro e de combate à corrupção, diz cientista político
    Investigado por corrupção, chefe da comunicação 'não é criminoso', diz Bolsonaro
    LatamLeaks se inspira em Assange para expor corrupção na América Latina
    Tags:
    projeto de lei, Luiz Inácio Lula da Silva, Operação Lava Jato, ladrão, punição, corrupção, política, Congresso, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar