22:57 20 Outubro 2020
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    268232
    Nos siga no

    Em evento na Alemanha, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva previu "dias difíceis no Brasil", criticou o presidente Jair Bolsonaro e disse que o governo deve investir para evitar a crise. 

    "Estejam preparados para dias difíceis no Brasil. A economia e o PIB não crescem, e o presidente, cara de pau como é, em vez de explicar para a população, preferiu contratar um humorista da Record para esculhambar", afirmou Lula nesta terça-feira (10) em festival cultural em Berlim, segundo publicado pela Folha de S.Paulo. 

    Além disso, o petista disse que a única forma de evitar os efeitos da crise mundial que deve ser desencadeada pelo coronavírus é o investimento do governo. 

    "Se quisermos recuperar a economia brasileira, [precisamos] deixar de olhar para as firmas, e o governo que faça investimentos como eu fiz [na crise de 2008]", opinou. 

    Segundo ele, o atual governo "não tem e não merece credibilidade". 

    "Se o governo não tem e não merece credibilidade, se não passa previsibilidade para a sociedade, eu quero saber quem vai investir no Brasil. Então ele [governo] é que tem que investir", disse. 

    'O ódio tomou conta do país'

    Apesar disso, o ex-presidente não defende a saída de Bolsonaro do poder. 

    "Bolsonaro ganhou e vamos amargar esses quatro anos. Não torço para governantes darem errado. Quem paga o pato é o povo trabalhador. Mas estamos vendo a destruição da democracia. O ódio tomou conta do país. Nós que queríamos democracia e paz e temos um candidato que o símbolo é arma, miliciano, morte de pretos e pobres das periferias", disse o ex-presidente, segundo a Rede Brasil Atual.

    Para Lula, é preciso aplicar dinheiro em obras de infraestrutura e repensar as políticas de corte de gastos.

    "Se essa gente que está no governo não quiser resolver, não adianta jogar a culpa na China e no coronavírus. O Brasil é um país grande e tem um mercado extraordinário. Deixem de olhar para cima, o governo tem que fazer investimento como fiz. Crédito para pessoas investirem e investimento em infraestrutura", disse o petista. 

    'Rico custa caro, é mal agradecido e dá golpe'

    Em outro momento, Lula disse que cuidar dos pobres era mais fácil do que agradar os ricos. 

    "Aprendi que a coisa mais fácil e mais barata de um governo é cuidar dos pobres porque eles pedem e custam pouco e se contentam com o mínimo necessário", afirmou o ex-presidente. 

    "O que é duro é cuidar do rico, porque ele custa caro, é mal agradecido e ainda dá golpe", acrescentou. 

    Lula também fez críticas à Fiesp (Federação Nacional das Indústrias do Estado de São Paulo), afirmando que a entidade deveria cobrar mais do presidente. 

    "Por que a Fiesp não vai agora colocar os patinhos e cobrar o Bolsonaro?", disse Lula, em referência à campanha "Não vou pagar o pato", lançada pela organização em 2015 contra o aumento de impostos.

    Mais:

    Crise de coronavírus pode custar ao mundo US$ 2 trilhões, afirma ONU
    Bolsonaro diz que 'pequena crise' do coronavírus é 'muito mais fantasia'
    PF investiga Lula com base em Lei de Segurança Nacional
    Lula: Assange, fundador do WikiLeaks, é 'herói' e 'humanidade deveria exigir sua liberdade'
    Tags:
    Jair Bolsonaro, Crise, investimento, economia, governo, Brasil, China, novo coronavírus, PT, Luiz Inácio Lula da Silva, lula
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar