23:17 05 Abril 2020
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    20820
    Nos siga no

    Durante encontro na Flórida entre os presidente dos EUA e do Brasil, Donald Trump elogiou Jair Bolsonaro e disse que "amizade" entre os dois "países está mais forte do que nunca". 

    No entanto, ao ser perguntado por um repórter norte-americano presente na cerimônia se os Estados Unidos iriam impor novas tarifas ao aço e alumínio brasileiros, o republicano afirmou que não poderia fazer "promessas". 

    Os dois líderes jantaram juntos na noite deste sábado (7) em Mar-a-Lago, resort do presidente estadunidense em Palm Beach, na Flórida. Antes do evento, Trump fez vários afagos a Bolsonaro, afirmando que o Brasil e os EUA "amam" o mandatário brasileiro.

    "Nós temos um relacionamento muito bom. A amizade provavelmente está mais forte agora do que nunca", disse o chefe de Estado norte-americano, segundo publicado pelo jornal O Globo. 

    Em seguida, houve o questionamento sobre as tarifas, e Trump respondeu: "Eu não faço promessas". 

    Bolsonaro está 'fazendo as coisas bem'

    Trump disse ainda que o Brasil estava "fazendo as coisas bem" e tinha dado uma "virada" com Bolsonaro. 

    ​O presidente respondeu então que "se inspirava em algumas coisas" em Trump. 

    Além de Bolsonaro, estavam presentes o chanceler Ernesto Araújo, o deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), o ministro da Defesa, Fernando de Azevedo e Silva, o chefe do Gabinete de Segurança Institucional, General Heleno, e o encarregado de Negócios da embaixada do Brasil em Washington, Nestor Forster.

    Pelo lado dos EUA, além de Trump, estavam sua assessora e filha, Ivanka Trump, seu genro Jared Kushner, o conselheiro de Segurança Nacional, Robert O'Brien, o presidente da Corporação Internacional para o Desenvolvimento das Finanças dos Estados Unidos, Adam Boehler e o diretor para Hemisfério Ocidental do Conselho de Segurança Nacional da Casa Branca, Mauricio Claver-Carone.

    Esse é o 4º encontro dos dois presidentes

    Por meio de nota, a Casa Branca disse que os dois presidentes vão discutir oportunidades para "restaurar a democracia na Venezuela", o "processo de paz no Oriente Médio", "políticas comerciais" e "investimentos em infraestrutura". Também existe a possibilidade da assinatura de acordos na área militar. 

    Bolsonaro ficará quatro dias na Flórida. Esta é a quarta viagem dele aos EUA desde que assumiu a presidência. Essa também é a quarta vez que Trump e o presidente brasileiros se encontram. 

    Em março de 2019, Bolsonaro foi recebido na Casa Branca; em junho, os líderes se reuniram no Japão, na cúpula do G20; e em setembro, na Assembleia Geral da ONU, em Nova York.

    Mais:

    'Não tenho dúvida' de que Bolsonaro poderia ganhar Nobel com proposta sobre Jerusalém, diz senador
    Antes de encontrar Trump, Bolsonaro convoca população para manifestações do dia 15
    Celebrado por Bolsonaro, acordo militar não garante acesso ao mercado dos EUA, diz analista
    Tags:
    Flórida, tarifas de aço e alumínio, redução de tarifas, tarifas, acordo, Donald Trump, Jair Bolsonaro, Brasil, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar