14:53 25 Novembro 2020
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    282513
    Nos siga no

    Em meio à polêmica sobre a convocação que Jair Bolsonaro fez aos protestos contra Congresso e o STF, o governo promete que o texto da reforma administrativa está fechado e será entregue ao Congresso.

    O Poder Executivo enviará nos próximos dias a Reforma Administrativa ao Congresso, enquanto o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, diz querer aprovar outra pauta polêmica, a Reforma Tributária, em no máximo 5 meses.

    O cientista político da Universidade Federal de Ouro Preto, Antônio Marcelo Jackson, em entrevista à Sputnik Brasil, disse não acreditar que o governo terá tempo hábil para enviar a reforma administrativa ao Congresso, sobretudo com as recentes críticas que o presidente tem feito ao Congresso.

    "Eu acredito que não. E sejamos sinceros, com as últimas declarações, ou antes estímulos, apresentados pelo Jair Bolsonaro em relação a críticas ao Congresso, parece que cada vez mais a votação de qualquer coisa fica mais remota. Salvo se tiver interesse do próprio Congresso", disse ele.

    O especialista explicou que o Congresso Nacional foi eleito por menos de 50% dos eleitores brasileiros e a maior parte dos eleitores não escolheu os deputados, sendo que "boa parte é representante de empresários, grupos econômicos, fora as famosas bancadas da bala, bancadas da Bíblia".

    "Então qualquer votação que aconteça, diz respeito muito mais a esses grupos e possíveis alianças entre eles do que propriamente a um projeto nacional, um projeto de país, um projeto ligado ao poder executivo", declarou.

    ​De acordo com ele, "no caso agora com toda essa crítica ao governo nacional, estimulando protestos para fecharem o Congresso Nacional, mesmo que se envie qualquer coisa agora nesses próximos dias, o primeiro problema vai ser enfrentar toda a oposição ao Jair Bolsonaro".

    "Para um sujeito que passou 27 anos na Câmara dos Deputados, não é possível que ele [Bolsonaro] não entenda, estando agora no poder executivo, que existe um jogo de cintura, que deva existir um cuidado com as palavras e ações [...] daí às vésperas do Congresso retomar os trabalhos após o carnaval, ele libera uma crítica ao Congresso Nacional", disse.

    "É primário demais esse erro. É de uma 'inocência' que eu não consigo entender", completou Antônio Marcelo Jackson.

    Mais:

    Celso de Mello cita 'crime de responsabilidade' ao comentar possíveis vídeos enviados por Bolsonaro
    'Leão' ou 'atraso' para Brasil? Bolsonaro ganha apoio e pedido de impeachment da web
    'Amizade' de Bolsonaro com Trump não afeta política de imigração dos EUA, diz analista
    Tags:
    reforma, STF, Congresso, Jair Bolsonaro
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar