18:38 22 Setembro 2020
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    570
    Nos siga no

    Presidente da Suzano, Walter Schalka, diz que o governo não cria condições para evitar o desmatamento e prevê "catástrofe" em 2020.

    Nesta quinta-feira (20), o presidente-executivo da Suzano, Walter Schalka, declarou acreditar que o desmatamento da Amazônia em 2020 será "muito pior" do que em 2019.

    "Vai ser uma catástrofe", disse Schalka à Bloomberg, em Nova York.

    De acordo com o CEO da maior produtora de polpa de celulose do mundo, ainda não está claro qual a área desmatada em 2019, e a compilação dos dados pode levar alguns anos para ser concluída.

    Schalka ainda criticou o governo Bolsonaro por não garantir o cumprimento das leis brasileiras que impedem o desmatamento e as queimadas em larga escala, que geraram indignação internacional no ano passado.

    Para ele, o governo deveria ser mais assertivo nos seus esforços para combater o desmatamento:

    "Eu não acho que [o governo] não está forçando para desmatar mais, mas eles certamente não estão criando as condições para evitar [o desmatamento]", disse.

    O CEO da Suzano tem feito diversas declarações sobre mudanças climáticas e desigualdade social no Brasil, reportou a Bloomberg.

    Para ele, o Brasil deve se preparar para monetizar a preservação florestal a partir da venda de créditos de carbono.

    Vista aérea de queimada na Floresta Amazônia, vista à partir da cidade de Porto Velho, capital de Rondônia
    © Folhapress / André Cran
    Vista aérea de queimada na Floresta Amazônia, vista à partir da cidade de Porto Velho, capital de Rondônia

    Apesar de muitos manifestarem ceticismo acerca da aplicação desse modelo no Brasil, que consiste na capacidade do país capturar carbono e vender créditos para grandes países emissores, Schalka está confiante.

    "Queremos monetizar isso", disse o CEO.

    Para ele, "não há dúvidas" de que o sistema de créditos de carbono será implementado mais cedo ou mais tarde, criando uma "oportunidade imensa" para o Brasil.

    A Suzano Papel e Celulose, baseada em São Paulo, é uma das maiores produtoras de papel do mundo e a líder em produção de polpa de celulose.

    Mais:

    Bolsonaro anuncia que vai criar Conselho da Amazônia e de Força Nacional Ambiental
    Por que estudo dos peixes pode nos ajudar a salvar Amazônia?
    'Greta Thunberg brasileira' pede ajuda para proteger a Amazônia e os índios
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar