06:06 21 Janeiro 2020
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    320
    Nos siga no

    Reivindicação dos caminhoneiros, a Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) publicou nesta quinta-feira (16) nova tabela do frete rodoviário com reajuste que varia de 11% a 15%. 

    Uma versão anterior, apresentada pelo governo no ano passado, não agradou a categoria, que ameaçou fazer uma paralisação. 

    O valor vai depender do tipo de carga e operação. A tabela foi criada em 2018 durante o governo do então presidente Michel Temer, após greve dos caminhoneiros. 

    Na ocasião, estradas foram bloqueadas e houve uma crise de abastecimento no país. O então deputado federal Jair Bolsonaro apoiou o movimento dos caminhoneiros. 

    Empresas e entidades do agronegócio são contra tabela

    Entidades do agronegócio e empresas são contra a tabela, por achar que viola a livre concorrência. A norma terá constitucionalidade analisada pelo Supremo Tribunal Federal (STF). 

    O julgamento, marcado inicialmente para setembro de 2019, deve ocorrer em fevereiro deste ano. 

    Além disso, a agência estabeleceu uma série de regras, que entram em vigor a partir de 20 de janeiro. A ANTT incluiu no cálculo do frete mínimo o custo da diária do caminhoneiro, como refeições e hospedagem. A tabela também corrige valores de itens como pneu e manutenção.

    Outra mudança é que passará a ser obrigatório o pagamento de frete de retorno quando o caminhoneiro é proibido de trazer carga na volta ao local de embarque. No caso dos caminhões de combustível, por exemplo, o motorista não pode voltar transportando outro tipo de carga. 

    Outro ponto que causa insatisfação entre os caminhoneiros é o preço do diesel, que vem aumentando desde que a Petrobras decidiu repassar para o produto as altas do petróleo no mercado internacional. 

    Em dezembro do ano passado, motoristas chegaram a realizar uma greve para protestar contra o valor cobrado pelo combustível, mas a adesão foi abaixo da esperada.

    Mais:

    Bolsonaro facilita porte de armas para políticos e caminhoneiros, dentre 20 categorias
    Greve de caminhoneiros em Portugal encerra com data marcada para nova paralisação
    Caminhoneiros estão divididos sobre nova greve: 'Temos que cuidar da gente'
    Tags:
    tabela de frete, Agronegócio, diesel, Jair Bolsonaro, caminhoneiros, governo, Agência Nacional de Transporte Terrestre (ANTT), transporte, economia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar