14:09 22 Janeiro 2020
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    262841
    Nos siga no

    O presidente Jair Bolsonaro reagiu nesta terça-feira à convocação feita pelo governo do Irã da encarregada de negócios da embaixada do Brasil em Teerã, Maria Cristina Lopes, para prestar esclarecimentos a respeito da nota do Itamaraty sobre a morte do general Qassem Soleimani.

    "Estou aguardando", resumiu Bolsonaro, que terá até o final do dia uma reunião com o ministro de Relações Exteriores do Brasil, Ernesto Araújo, para tratar da convocação da diplomata brasileira em Teerã.

    Alinhado com os Estados Unidos desde o início do seu governo, Bolsonaro acrescentou que quer continuar fazendo negócios com o Irã – principal parceiro comercial do Brasil no Oriente Médio e no golfo Pérsico –, e que Brasília rejeita todas as formas de terrorismo "em qualquer lugar do mundo".

    Segundo o Itamaraty, a representante brasileira foi convocada junto com oficiais de outros países para um encontro com autoridades do Irã, sendo a principal pauta os "eventos em Bagdá", referindo-se ao ataque dos EUA que assassinou Soleimani.

    O ministério brasileiro também informou que a conversa foi calma e cordial, mas que não haveria comentários adicionais sobre o teor do diálogo com a Chancelaria iraniana.

    A suspeita é que o Irã teria ficado irritado com a nota divulgada pelo Itamaraty na sexta-feira passada, horas após o assassinato de Soleimani. Nela, o ministério afirma dar "seu apoio à luta contra o flagelo do terrorismo".

    "O Brasil está igualmente pronto a participar de esforços internacionais que contribuam para evitar uma escalada de conflitos neste momento", acrescentou o comunicado, endossado nesta segunda-feira por Bolsonaro, que foi além e disse que Soleimani "não era general".

    A fala de Bolsonaro sobre isso foi interpretada como mais uma prova de alinhamento com Washington, que classificou o general iraniano como "terrorista".

    A diplomacia iraniana no Brasil não se pronunciou oficialmente sobre o posicionamento do governo Bolsonaro.

    Mais:

    Irã responderá 'proporcionalmente' contra os EUA pelo assassinato de Soleimani, diz chanceler
    Pentágono contradiz Trump sobre ataques a áreas culturais do Irã
    Após Irã 'deixar de lado' compromissos nucleares, oficial diz que acordo 'ainda não está morto'
    Tags:
    alinhamento, relações bilaterais, Qassem Soleimani, Donald Trump, Ernesto Araújo, Jair Bolsonaro, Itamaraty, terrorismo, Estados Unidos, Iraque, Irã, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar