10:58 26 Maio 2020
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    203
    Nos siga no

    O ano de 2020, em apenas três dias, registrou dois episódios de violência envolvendo comunidades indígenas no Mato Grosso do Sul, nos municípios de Dourados e Rio Brilhante. 

    Em Dourados, que fica a 210 quilômetros de Campo Grande, um conflito entre indígenas e seguranças de fazendeiros nesta sexta-feira (3) deixou três pessoas feridas a bala. 

    Duas vítimas são índios, que foram levadas para atendimento pelo Samu, e a outra é um funcionário, que de acordo com os bombeiros foi encaminhado para um hospital. 

    A fazenda onde ocorreu o episódio fica nas proximidades do centro de Dourados. A área, considerada tensa, é alvo de disputa fundiária entre fazendeiros e indígenas. 

    Houve um incêndio na pastagem da propriedade, que foi parcialmente controlado pelos bombeiros. De acordo com informações da mídia local, os indígenas, que reivindicam a posse da terra, teriam iniciado o fogo. 

    Ataque contra local sagrado da etnia Guarani Kaiowá

    Além disso, o Centro Indigenista Missionário (Cimi) denunciou que um local sagrado para a etnia Guarani Kaiowá, a Casa da Reza, na comunidade Laranjeira Nhanderu, em Rio Brilhante, a 160 quilômetros de Campo Grande, foi incendiada e destruída na virada do ano.  

    De acordo com a organização, no dia seguinte, 2 de janeiro, homens não identificados atacaram indígenas da comunidade a tiros e invadiram casas que estavam vazias após a fuga de seus moradores. 

    "Estão dizendo que tem índio Guarani Kaiowá envolvido com a queima da Casa de Reza. É notícia falsa, denúncia errada. Ninguém sabe quem foi que colocou fogo. Vimos aqui foi capanga, que a gente chama de pistoleiro, não indígena. Isso machuca e revolta a gente porque vivemos todo dia o genocídio, a violência, o racismo e sempre procuram um jeito de dizer que isso é culpa da gente mesmo", disse uma liderança indígena não identificada, segundo publicado pelo site do Cimi. 

    De acordo com o Conselho, a comunidade Laranjeira Nhanderu foi retomada pelos indígenas em outubro de 2018 e pouco mais de 30 famílias indígenas vivem na comunidade.

    Organizações denunciam escalada de violência

    Segundo organizações de direitos humanos, os conflitos fundiários e os ataques contra indígenas vêm aumentando no Brasil. Em dezembro do ano passado, o ministro da Justiça, Sergio Moro, autorizou o envio de tropas da Força Nacional para a região do Maranhão, onde dois índios da etnia Guajajara foram assassinados na BR-226.

    Mais:

    'Vão ter que mudar', diz ativista Greta Thunberg sobre Bolsonaro e Trump em retorno à Europa
    Os direitos humanos, afinal, escolhem lado?
    Bolsonaro: 'Quero dar a Lei Áurea para o índio'
    Exército Brasileiro intercepta militares venezuelanos em região de terra indígena
    Tags:
    Mato Grosso do Sul, fazendeiros, ruralistas, indígenas, conflito, demarcação, genocídio, índios
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar