05:03 21 Janeiro 2020
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    17255
    Nos siga no

    A Polícia do Rio de Janeiro descobriu que Eduardo Fauzi, tido como um dos suspeitos de ter atacado à produtora do Porta dos Fundos, está em Moscou.

    Segundo informações publicadas pelo portal G1, Fauzi viajou no dia 29 de dezembro para Paris, um dia antes do mandado de prisão ser expedido.

    Eduardo Fauzi tem uma namorada que mora em Moscou e fez três viagens ao país no ano passado. Ele comprou passagem de volta ao Brasil para o dia 29 de janeiro.

    A polícia brasileira pediu nesta quinta-feira (2) que o nome dele seja incluído na lista de procurados pela Interpol. Fauzi foi flagrado pelas câmeras de segurança do Aeroporto Internacional Tom Jobim, o Galeão, na zona norte do Rio de Janeiro.

    Nesta quarta-feira (1º), o Disque Denúncia do Rio divulgou um cartaz oferecendo uma recompensa de R$ 2 mil por informações que levem à prisão de Eduardo Fauzi.

    A produtora responsável pela criação dos programas Porta dos Fundos foi alvo de um ataque no dia 24 de dezembro, no Humaitá, zona sul do Rio de Janeiro.

    Os investigadores afirmam que cinco pessoas participaram do ataque. A produtora Porta dos Fundos tem sido alvo de críticas na redes sociais por diversos grupos cristãos por conta de um vídeo exibido no especial de natal do programa de 2019.

    O filme insinua que Jesus teve uma experiência homossexual depois de passar dias no deserto.

    Mais:

    Líbano recebe mandado de prisão da Interpol para Carlos Ghosn
    Sede da produtora do 'Porta dos Fundos' é atacada com coquetel molotov (FOTO)
    Imagens do ataque contra 'Porta dos Fundos' mostram 3 agressores
    Grupo integralista nega autoria de vídeo do ataque contra Porta dos Fundos, diz Polícia
    Polícia faz operação para prender suspeito de participar de ataque contra sede do Porta dos Fundos
    Tags:
    Moscou, Rússia, Interpol, lista de procurados, ataque, Porta dos Fundos, Rio de Janeiro
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar