05:19 21 Janeiro 2020
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    434
    Nos siga no

    A Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara dos Deputados aprovou nesta terça-feira (17), por 33 votos a cinco, a admissibilidade de PEC que exige a impressão de cédulas em papel em eleições no país.

    Segundo o texto da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 135/19, de autoria da deputada Bia Kicis (PSL-DF), as cédulas deverão ser depositadas em urnas indevassáveis de forma automática e sem contato manual, para fins de auditoria.

    Ainda de acordo com a PEC, os eleitores poderão conferir as cédulas. A medida valeria para eleições, plebiscitos e referendos no Brasil. O dispositivo não acabaria com a urna eletrônica, apenas obrigaria a impressão do voto. 

    "No processo de votação e apuração das eleições, dos plebiscitos e dos referendos, independentemente do meio empregado para o registro do voto, é obrigatória a expedição de cédulas físicas conferíveis pelo eleitor, a serem depositadas, de forma automática e sem contato manual, em urnas indevassáveis, para fins de auditoria", diz a a proposta.

    STF derrubou proposta parecida em 2018

    Dispositivo parecido tinha sido incluído na minirreforma eleitoral de 2015, mas a mudança acabou sendo derrubada em junho de 2018 pelo Supremo Tribunal Eleitoral (STF).

    A autora do texto disse que optou por uma PEC justamente pelo fato da Justiça ter vetado em algumas ocasiões iniciativas parecidas. Uma Proposta de Emenda à Constituição, em tese, não poderia ser modificada pelo Supremo. 

    ​Um dos cinco deputados contrários à medida, Luizão Goulart (Republicanos-PR) argumento que até hoje nada foi provado contra as urnas eletrônicas, inclusive por meio de auditorias, como a feita em 2014 para atestar a legitimidade das eleições presidenciais. 

    'Por que vamos regredir'

    "Por que vamos encarecer o processo eleitoral com a impressão de células, se hoje nós temos um sistema confiável? Por que vamos regredir?", questionou, segundo mencionado pelo site da Câmara. 

    Já os defensores da PEC afirmam que a impressão do voto promoveria maior credibilidade às eleições. 

    O deputado Pompeo de Mattos (PDT-RS), que votou pela admissibilidade da proposta, defendeu que a contagem geral das eleições continue sendo feita pelas urnas eletrônicas, mas sugeriu uma conferência do resultado por meio do voto impresso. 

    Após a aprovação na CCJ, a PEC será examinada por uma comissão especial e depois votada em dois turnos pelo Plenário da Câmara, antes de seguir para o Senado. Mesmo se passar, a regra não valeria para 2020. Para vigorar numa eleição, as mudanças têm que ser aprovadas um ano antes da votação. 

    Bolsonaro é grande fã do voto impresso

    O voto impresso tem um grande defensor no posto mais alto da República. Por várias ocasiões, o presidente Jair Bolsonaro criticou as urnas eletrônicas e defendeu o voto impresso. 

    Recentemente, ele disse que a instabilidade que atingiu a Bolívia após as eleições mostrava a necessidade do voto impresso "em nome da democracia e transparência". Antes das eleições de 2018, ele criticou o Supremo por ter derrubado o voto impresso e colocou sob suspeição o sistema eletrônico.

    Mais:

    Bolsonaro diz que 'não tem nada pra fazer' se perder as eleições
    Votações pacíficas deslegitimam suspeição levantada por Bolsonaro, acredita professor
    Eleições do WhatsApp: como redes sociais deram as cartas na política do Brasil em 2018?
    TSE inicia testes de segurança das urnas eletrônicas para as eleições brasileiras de 2020
    Tags:
    republicanos, PSL, Constituição, PEC, Câmara dos Deputados, pleito, fraude, eleições, voto
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar