12:14 28 Março 2020
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    550
    Nos siga no

    A Comissão Interamericana de Direitos Humanos (CIDH), órgão autônomo da Organização dos Estados Americanos (OEA), divulgou nesta sexta-feira (6) uma nota condenando a ação policial no baile funk em Paraisópolis, em São Paulo, que resultou na morte de nove pessoas no último domingo (1º).

    "A comissão condena categoricamente essa ação policial e insta o Estado a iniciar, sem demora, uma investigação séria, imparcial e eficaz dos fatos, orientada a determinar a verdade, assim como a individualização, julgamento e eventual sanção dos responsáveis por esses fatos. Além disso, a comissão lembra ao Estado o seu dever de reparar às vítimas de violência e suas famílias", diz a nota.

    A comissão reuniu as versões, relatando-as no documento divulgado hoje.

    "Segundo informações públicas e vídeos disponíveis, os policiais cometeram maus tratos e abusos de maneira indiscriminada contra jovens que se dispersaram na área de atividades culturais. Da mesma forma, a CIDH tomou conhecimento de que o serviço de atendimento médico de emergência que havia sido acionado para prestar atenção imediata às vítimas teria sido cancelado em seguida a pedido dos agentes do Corpo de Bombeiros, com um forte indício de omissão que deve ser rigorosamente investigado", completa.

    Ainda segundo relato da comissão, vítimas e testemunhas da tragédia disseram que os policiais teriam fechado a rua onde estava ocorrendo o baile funk, fazendo uso de gás lacrimogêneo e balas borracha contra os jovens presentes, sem que houvesse um confronto.

    Mais:

    Bolsonaro lamenta morte de 'inocentes' em ação policial em Paraisópólis
    Mortes em Paraisópolis: PM afasta policiais envolvidos em ação que acabou com 9 mortos (VÍDEO)
    Ministério Público investigará mortes em Paraisópolis como 'homicídios'
    Paraisópolis: Doria fala em rever protocolos para inibir abusos policiais
    Tags:
    juventude, violência policial, São Paulo, funk
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar