23:11 27 Maio 2020
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    4121
    Nos siga no

    Recentemente, a Amazônia foi alvo de grandes incêndios, que devastaram a região, causando diversos danos à floresta brasileira e provocando uma reação imediata de um dos maiores investidores da Escandinávia.

    O investidor que controla mais de R$ 933 bilhões em fundos, a Nordea Asset Management, anunciou que estava colocando a dívida do governo brasileiro em quarentena devido aos riscos políticos e ambientais, cita o jornal Financial Times.

    "Uma vez que a Nordea Asset Management está investindo dinheiro em nome de seus clientes, nós devemos sempre analisar as incertezas políticas e ambientais para gerenciar os riscos financeiros", declarou um investidor da Norwegian.

    A medida foi tomada em decorrência da grande perda da Floresta Amazônica do Brasil, que até julho teve um aumento de 30% de desmatamento.

    Seguindo os investidores, a empresa H&M também reagiu e anunciou que não compraria couro brasileiro até que os danos ambientais na Amazônia sejam reduzidos.

     Vista aérea de queimada na Floresta Amazônia, vista à partir da cidade de Porto Velho, capital de Rondônia.
    © Folhapress / André Cran
    Vista aérea de queimada na Floresta Amazônia, vista à partir da cidade de Porto Velho, capital de Rondônia.

    Uma das principais causas das queimadas na Floresta Amazônica seria a queima ilegal para limpeza da área, com o objetivo de obter mais terras para criação de gado e, consequentemente, para elevar a venda de couro para o mercado exterior.

    De acordo com Peter Taylor, diretor de ações da Aberdeen Standard Investments, sediada em São Paulo, os investidores locais estão cada vez mais se concentrando em questões socioambientais.

    As perdas da Amazônia são fruto do trabalho de grupos criminosos em parceria com madeireiros ilegais ou com o narcotráfico, o que está causando um grande problema para as empresas que trabalham legalmente e seguem princípios éticos.

    Um dos grupos que está na lista negra do investimento norueguês é o grupo brasileiro de frigoríficos JBS, que estaria ligado à corrupção no país. Já a Vale também entra na lista, mas devido aos recentes acidentes envolvendo a empresa.

    Apesar de toda essa ação e pressão internacional para que medidas de preservação ambiental sejam tomadas, empresas brasileiras acabaram ignorando por julgarem ser um "ato perverso contra o Brasil", conclui o jornal.

    Mais:

    'Pauta antiambiental' de Bolsonaro contribui para desmatamento recorde, diz especialista
    Ministra da Agricultura do Brasil diz que desmatamento não prejudicará acordos comerciais com EUA
    Bolsonaro diz que desmatamento é 'cultural' e 'não vai acabar'
    Tags:
    desmatamento, meio ambiente, floresta, investidores, Amazônia, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar