17:48 09 Dezembro 2019
Ouvir Rádio
    Protesto contra morte de 9 pessoas em baile funk da favela de Paraisópolis em São Paulo (SP),

    Bolsonaro lamenta morte de 'inocentes' em ação policial em Paraisópólis

    ©Futura Press/Folhapress
    Brasil
    URL curta
    915
    Nos siga no

    O presidente Jair Bolsonaro lamentou nesta segunda-feira (2) a morte de "inocentes" em baile funk realizado no domingo (1°) em Paraisópolis, em São Paulo, mas não comentou sobre a operação policial efetuada no local. 

    "Lamento a morte de inocentes", disse, segundo publicado pela Folha de S.Paulo, enquanto tirava fotos com apoiadores na porta do Palácio da Alvorada, sem entrar na discussão sobre um possível excesso das forças de segurança. 

    Ao perseguir um suspeito na comunidade, a Polícia Militar (PM) invadiu um baile funk com mais de 5 mil pessoas, houve tumulto e nove pessoas acabaram morrendo, algumas delas pisoteadas. Imagens e testemunhas indicam que os agentes atuaram com força excessiva e os frequentadores acabaram encurralados em vielas e becos estreitos. 

    Doria lamenta morte, mas elogia forças de segurança

    O governador de São Paulo, João Doria (PSDB-SP), também lamentou a morte de frequentadores do baile funk. 

    "Lamento profundamente as mortes ocorridas no baile funk em Paraisópolis nesta noite. Determinei ao Secretário de Segurança Pública, General Campos, apuração rigorosa dos fatos para esclarecer quais foram as circunstâncias e responsabilidades deste triste episódio”, afirmou pelo Twitter. 

    ​Pouco depois, na solenidade de filiação do ex-ministro Gustavo Bebbiano ao PSDB, ele elogiou a política de segurança do estado. "Hoje, São Paulo tem uma polícia preparada, equipada e bem informada", disse ele. 

    O caso será investigado pela Corregedoria da Polícia Militar. A versão da PM é que dois homens em uma moto atiraram contra uma viatura e se esconderam dentro do baile, onde teriam entrado disparando.

    Escudo humano 

    Segundo a polícia, agentes entraram na festa e foram recebidos com pedradas e garrafadas. Por isso, houve a necessidade de uso de munição química, com granadas de efeito moral e balas de borracha. A PM disse ainda que criminosos usaram os frequentadores do baile como "escudo humano". 

    Testemunhas, no entanto, denunciam que a polícia armou um emboscada, fechou as duas saídas da rua onde ocorreu o baile e agiu de forma truculenta. Na noite de domingo, moradores da favela organizaram um protesto contra as mortes. 

    Ameaças a moradores

    Segundo matéria publicada pelo site Ponte, relatos apontam que a ação ocorreu após um mês em que policiais fizeram ameaças diárias a moradores da favela, por conta da morte do sargento da PM Ronald Ruas Silva, ocorrida em 1º de novembro de 2019.

    Mais:

    Excludente de ilicitude não isenta policial de punição, diz ex-comandante da PM
    Witzel atribui à 'política combativa' recorde de letalidade policial no Rio
    Homem que fez 7 reféns em bar no centro do Rio de Janeiro é preso pela polícia (FOTOS)
    Tags:
    São Paulo, funk, justiça, João Dória Jr, direitos humanos, crime, PM, Polícia, Jair Bolsonaro
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar