19:58 09 Dezembro 2019
Ouvir Rádio
    Bandeira da Argentina

    'Estamos de luto em relação ao Brasil', diz futuro chanceler argentino

    © Sputnik / Vitaly Belousov
    Brasil
    URL curta
    194013
    Nos siga no

    O futuro ministro das Relações Exteriores da Argentina, Felipe Sola, declarou que a estratégia do novo governo do país para lidar com o Brasil será de evitar o debate ideológico.

    Em palestra realizada na universidade Torcuato Di Tella na última quinta-feira (29), o futuro chanceler do país sul-americano disse que a relação do novo governo eleito para com o Brasil é de "luto".

    "É absolutamente inesperado que um país irmão com o qual tivemos uma quantidade de encontros com bom impacto regional inesperadamente tenha um governo com um nível de agressividade enorme contra a Argentina, contra o Mercosul e contra a História comum dos últimos 30 anos", afirmou Sola, citado pelo O Globo.

    "Não é que digamos 'temos de acertar uma coisa com um fulano por que é um pouco aloprado'. Não, isso é um luto, um luto de ilusões, de projetos, de imaginação sobre o futuro. Frente a uma agressão assim a gente se fecha diante do inesperado e a reação imediata é um choque de imobilidade. A palavra que aparece é raiva, mas não podemos aceitar isso porque representamos um país", acrescentou o futuro chanceler.

    De acordo com ele, o novo governo argentino pretender evitar "ideologizar a relação", buscando o diálogo com a sociedade civil junto ao Estado.

    O governo brasileiro anunciou que não enviará o presidente Jair Bolsonaro para a posse do presidente eleito da Argentina, Alberto Fernández, em 10 de dezembro. Após o resultado das eleições argentinas, Bolsonaro afirmou que não pretendia parabenizar o novo presidente eleito, além de dizer que o país vizinho "escolheu mal" nas eleições.

    Mais:

    Qual é o futuro das relações entre Brasil e Argentina após vitória de Fernández?
    Chanceler argentino envia carta a embaixador do Brasil após polêmicas de Bolsonaro
    Se Argentina não se recuperar, será difícil para Brasil 'respirar', avalia economista
    Tags:
    Brasil, Jair Bolsonaro, Alberto Fernández, Argentina
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar