07:04 27 Novembro 2020
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    14189
    Nos siga no

    Indignados com a decisão do Tribunal Regional Federal da 4ª Região de aumentar a pena de Lula no caso do sítio de Atibaia, aliados do ex-presidente usaram as redes sociais para atacar os membros da 8ª Turma do TRF-4.

    Nesta quarta-feira, em Porto Alegre, os desembargadores Gebran Neto, Leandro Paulsen e Thompson Flores Lenz negaram pedidos da defesa de Luiz Inácio Lula da Silva para anular a condenação, em primeira instância, do ex-chefe de Estado no polêmico caso do sítio. Além de confirmarem o veredicto, os magistrados decidiram também aumentar a pena de prisão de 12 anos e 11 meses para 17 anos, um mês e dez dias. 

    ​Em fevereiro, Lula foi condenado pela juíza Gabriela Hardt, da 13ª Vara Federal de Curitiba, por corrupção e lavagem de dinheiro devido a sua suposta participação em um esquema ilegal envolvendo a Petrobras e empresas parceiras. A acusação era de que o ex-presidente teria recebido propinas na forma de reformas em um sítio no interior de São Paulo, que não lhe pertence mas seria utilizado por ele, em troca de vantagens em contratos para determinadas companhias. 

    ​A defesa de Lula, alegando inocência, entrou com pedidos de absolvição ou anulação da sentença em segunda instância. Uma das questões levantadas pelos advogados dizia respeito à ordem das alegações finais de delatores e da defesa, que, segundo eles, não teria sido respeitada. 

    ​Além disso, a defesa também questionava a imparcialidade dos envolvidos na condenação, discurso que voltou a ser defendido no início desta noite por amigos e apoiadores do ex-presidente, que viram na decisão da 8ª Turma uma comprovação dessa teoria de perseguição política. 

    ​Em nota oficial divulgada após o julgamento, o Partido dos Trabalhadores disse que "a 8ª Turma do Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4) atuou hoje (27) não como corte de Justiça, mas como um pelotão de fuzilamento contra o ex-presidente Lula". Segundo o PT, além de "ignorar as nulidades do processo do sítio de Atibaia e de mais uma vez combinar previamente o aumento da sentença injusta", os desembargadores também teriam desacatado o Supremo Tribunal Federal, segundo o qual as alegações finais do réu devem ser apresentadas depois das dos delatores, o que não ocorreu nesse processo.

    "O julgamento desta tarde confirma o total descrédito em que o sistema judicial brasileiro foi lançado pela Lava Jato e seus principais operadores: Sérgio Moro e os procuradores de Curitiba, os membros da 8ª Turma e o Ministério Público da 4ª Região. Para julgar Lula, apenas 19 dias depois de ele ter saído da prisão, atropelaram 1.941 outros recursos semelhantes que estavam na frente. Sem amparo dos fatos, da lei ou do Direito, recorreram à manipulação de argumentos políticos, sem qualquer disfarce, ao invés de enfrentar o debate jurídico", afirmou o PT.

    Mais:

    Lula diz que é bom de 'briga' e 'honra para nordestino tem muito valor'
    'O PT está se preparando para voltar e governar o país', diz Lula em nova entrevista
    No TRF-4, relator vota contra defesa de Lula
    Tags:
    julgamento, condenação, São Paulo, Atibaia (SP), lavagem de dinheiro, corrupção, Luiz Inácio Lula da Silva, Lula, TRF-4, Rio Grande do Sul, Porto Alegre, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar