17:13 25 Fevereiro 2021
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    9255
    Nos siga no

    O Ministério da Defesa informou nesta semana que as exportações do Brasil na área de Defesa podem chegar a R$ 1,5 bilhão este ano. A Sputnik Brasil conversou com especialista Pedro Paulo Rezende sobre as perspectivas do setor para o ano que vem.

    De acordo com o secretário de produtos de Defesa da pasta, Marcos Degaut Pontes, a projeção é de que até 2022 as exportações brasileiras no setor podem chegar a R$ 6 bilhões.

    O jornalista e especialista em assuntos militares, Pedro Paulo Rezende, disse à Sputnik Brasil que a projeção do secretário de Defesa é muito pequena perto do que pode o Brasil no setor de venda de equipamentos militares.

    "É uma quantia muito pequena, não é uma quantia expressiva como ele [Marcos Degaut Pontes] tenta mostrar. Na verdade o que está acontecendo agora é que a indústria militar brasileira amadureceu produtos que foram lançados no período do governo do PT, essa que é a verdade", afirmou o especialista.

    Pedro Paulo Rezende citou como exemplo o KC-390, que é um produto da Embraer que vai começar a entrar em fabricação este ano, mas que é um projeto que foi lançado no governo Lula e "agora está maduro o suficiente para entrar no mercado".

    "Esse produto tem uma expectativa que ele possa atender boa parte do mercado de reposição do C-130 Hércules americano. Só pra ter uma ideia, são mais ou menos 3.000 Hércules em operação em todo o mundo, então se a gente pegar um terço disso são mil aviões. Cada avião desse KC-390 'Miliennium' vale 100 milhões de dólares", argumenta.

    O cargueiro KC-390 da Embraer
    O cargueiro KC-390 da Embraer
    "Então é uma expectativa muito subestimada a partir do momento em que a indústria militar brasileira começa a colcoar em produção projetos da época do governo Lula", acrescentou o jornalista.

    Ao comentar a perspectiva das exportações brasileira em Defesa para os próximos anos, Pedro Paulo Rezende, destacou que o potencial é muito maior do que o apresentado pelo secretário de Defesa.

    "O Brasil tem condição de se colocar, com o KC-390, com o Astros 2020, com o novo avião que foi desenvolvido pela Novaer e poder ser produzido agora pelos Emirados Árabes Unidos, que é o Calidus B-250 [...] então é uma série de produtos que seguramente dão uma expectativa maior que essa", destacou.

    De acordo com ele, com estes produtos o Brasil deve ficar atrás apenas do Reino Unido, Espanha e Alemanha, na venda de equipamentos militares.

    Ao comentar o que falta para o Brasil deslanchar no setor de venda de produtos de Defesa, o especialista citou a falta de capital e incentivo fiscal dos governos.

    Mais:

    Portugal fecha acordo bilionário com Embraer para novo KC-390
    Embraer anuncia novo nome do KC-390 após acordo com Boeing
    C-390 Millennium é 'versão básica' do KC-390, diz especialista
    Tags:
    Defesa, exportações, equipamentos militares, Ministério da Defesa, KC-390
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar