09:48 27 Outubro 2020
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    260
    Nos siga no

    A conclusão do inquérito feito pela Delegacia de Homicídios do Rio de Janeiro mostrou que o tiro que matou a menina Ágatha Félix, de oito anos, partiu da arma de um cabo da Polícia Militar.

    O documento se baseou em depoimentos de testemunhas, perícias, do depoimento de policiais militares em serviço na Unidade de Polícia Pacificadora da região e o laudo da reprodução simulada, realizada no dia 1º de outubro.

    O inquérito aponta que o policial fez um disparo contra dois motoqueiros que furaram uma blitz, mas o projétil ricocheteou e atingiu Ágatha no interior de um veículo.

    O resultado dessa perícia aponta o "erro de execução" por parte do PM. O agente será afastado de suas atividades na rua, segundo a PM.

    A garota Ágatha Vitória Sales Félix morreu no dia 20 de agosto após ser baleada na comunidade da Fazendinha, no Complexo do Alemão, Zona Norte do Rio de Janeiro.

    Manifestantes pedem justiça para a menina Ágatha Félix, morta no Complexo do Alemão, no Rio de Janeiro
    © Folhapress / José Lucena / Futura Press
    Manifestantes pedem justiça para a menina Ágatha Félix, morta no Complexo do Alemão, no Rio de Janeiro

    Ela chegou a ser levada para a Unidade de Pronto Atendimento do Alemão e transferida para Hospital Getúlio Vargas, mas não conseguiu resistir aos ferimentos.

    O assassinato gerou indignação por parte dos moradores, que fizeram diversos protestos pedindo investigação e punição aos responsáveis pela morte da garota de oito anos.

    Mais:

    Brasil e Witzel são denunciados na ONU após assassinato da menina Ágatha no Rio
    Mourão culpa tráfico de drogas por morte de Ágatha
    Witzel lamenta assassinato de Ágatha e afirma que política de segurança vai continuar
    Policiais tentaram invadir hospital para levar projétil que matou Ágatha Félix, diz revista
    Tags:
    assassinato, Polícia Militar, polícia, morte, Rio de Janeiro
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar