06:07 23 Janeiro 2020
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    447
    Nos siga no

    O governo do presidente Jair Bolsonaro negou participação na ocupação da embaixada da Venezuela em Brasília, que segundo relatos foi invadida por um grupo de apoiadores do autoproclamado presidente venezuelano, Juan Guaidó. 

    Segundo publicado pelo portal UOL, a Presidência da República classificou a ação como "invasão" e disse que estava tomando as providências para resolver a situação de maneira pacífica. O governo venezuelano, por sua vez, pediu para o Brasil garantir a segurança do local. 

    "Como sempre, há indivíduos inescrupulosos e levianos que querem tirar proveito dos acontecimentos para gerar desordem e instabilidade; o presidente da República jamais tomou conhecimento e, muito menos, incentivou a invasão da Embaixada da Venezuela, por partidários do Sr. Juan Guaidó; as forças de segurança, da União e do Distrito Federal, estão tomando providências para que a situação se resolva pacificamente e retorne à normalidade", afirmou o Gabinete de Segurança Institucional, responsável pela segurança da presidência. 

    Um grupo entrou no início da manhã desta quarta-feira (13) na embaixada venezuelana. O deputado federal Paulo Pimenta (PT-RS) disse à Sputnik Brasil que cerca de 30 pessoas "fardadas", que seriam "agentes contratados", invadiram o local e chegaram até a área residencial da representação diplomática. 

    O parlamentar contou ainda que um funcionário do Itamaraty foi até o local, mas não estaria disposto a retirar o grupo, pois o governo brasileiro não reconhece Nicolás Maduro como líder do país e nem seus representantes no exterior. A Polícia Militar de Brasília está na porta do espaço, mas não pode entrar por se tratar de território estrangeiro. 

    Grupo diz que funcionários da embaixada autorizaram entrada

    O aviso sobre a ação partiu do encarregado de negócios da Venezuela no Brasil, Freddy Meregote, que disparou áudios para parlamentares e lideranças de movimentos sociais. Os invasores teriam pulado o muro e ocupado as instalações.

    O grupo, no entanto, diz que entrou no local pacificamente, com autorização de funcionários da representação diplomática que teriam desertado e reconhecido Guaidó como presidente venezuelano. Tomás Alejandro Silva, ministro-conselheiro da embaixada nomeado por Guaidó, teria tido o acesso liberado ao local pela primeira vez. Guaidó indicou a advogada María Teresa Belandria Expósito como embaixadora no Brasil, nomeação aceita pelo Itamaraty. 

    Por meio de um comunicado, Belandria disse que "funcionários" da embaixada entraram em contato com os representantes do governo autoproclamado para informar "que reconhecem Juan Guaidó como presidente". Em seguida, eles teriam entregado "voluntariamente" a sede diplomática" e comunicado o Itamaraty.

    Eduardo Bolsonaro apoiou ação

    Apesar da nota do governo, o deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), filho do presidente, usou as redes sociais para apoiar a ocupação do local. "Nunca entendia essa situação. Se o Brasil reconhece Guaidó como presidente da Venezuela por que a embaixadora María Teresa Belandria, indicada por ele, não estava fisicamente na embaixada? Ao que parece agora está sendo feito o certo, o justo", argumentou.

    A ocupação da embaixada coincide com o primeiro dia da reunião de cúpula do BRICS (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul) em Brasília, que está com a segurança reforçada.

    Mais:

    Maduro insta a criar 'corpos combatentes' para proteger empresas estratégicas na Venezuela
    Arreaza denuncia experiência de guerra não convencional na Venezuela
    Jornalista denuncia detenção nos EUA após investigar 'corrupção' da oposição venezuelana
    Chancelaria russa critica ingerência americana nos assuntos da América Latina
    Tags:
    presidência, governo, Jair Bolsonaro, Itamaraty, Brasil, Venezuela
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar