11:45 18 Novembro 2019
Ouvir Rádio
    Marcha das Mulheres Negras em São Paulo (SP). A concentração aconteceu na praça da República. A marcha traz como reivindicações os temas de sem violência, sem racismo, sem discriminação, sem fome, com dignidade, educação, trabalho, aposentadoria e saúde.

    Senado aprova tornar estupro e feminicídio crimes imprescritíveis

    ©Alice Vergueiro/Folhapress
    Brasil
    URL curta
    210
    Nos siga no

    O Senado aprovou nesta quarta-feira (6) uma Proposta de Emenda à Constituição (PEC) para tornar imprescritíveis o feminicídio, crime contra a mulher por razões da condição de sexo feminino, e o estupro. 

    "Ao colocar na Constituição que o feminicidio passa a ser um crime imprescritível, estamos garantindo, com certeza, o recado para o agressor: esse crime não será esquecido, essa vítima não será abandonada e o estado brasileiro vai tomar as providências adequadas", discursou o relator da medida, o senador Alessandro Vieira (Cidadania-SE). 

    Em seu parecer, ele apresentou um levantamento feito pelo Núcleo de Estudos da Violência da USP e da Pesquisa Violência Doméstica contra a Mulher, realizada pelo DataSenado, indicando que os casos de feminicídio cresceram em um ano. 

    Feminicídio está no Código Penal desde 2015

    A tipificação do crime de feminicídio está prevista no Código Penal desde 2015. O texto foi aprovado no Senado por unanimidade nos dois turnos da votação. Com a imprescritibilidade, o criminoso poderá ser punido mesmo muitos anos após o crime.

    Atualmente, os crimes  de racismo e a ação de grupos armados, civis ou militares contra a ordem constitucional e o Estado Democrático são considerados imprescritíveis pela Constituição. 

    Agora a PEC precisa ser aprovada na Câmara dos Deputados em dois turnos por três quintos da Casa. Inicialmente, a medida falava apenas em tornar imprescritível o crime de feminicídio, mas o estupro foi incluído por sugestão da presidente da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado, Simone Tebet (PMDB-MS). O texto original é de autoria da senadora Rose de Freitas (Podemos-ES).

    Estudos apontam aumento da violência contra a mulher

    Segundo dados da Organização Mundial de Saúde, o Brasil ocupa o quinto lugar na taxa de feminicídios entre 84 nações pesquisadas. Já o Mapa da Violência de 2015 aponta 106.093 mortes de mulheres por violência doméstica ou discriminação de gênero entre os anos 1980 e 2013.

    De acordo com 13º Anuário Brasileiro de Segurança Pública, lançado pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública, o Brasil teve um recorde de casos de estupro em 2018, com 66.041 registros — aumento de 5% em relação ao ano anterior.

    Por dia, 180 pessoas foram violentadas no país. Segundo o Anuário, 81,8% das vítimas são do sexo feminino, e 18,2%, masculino. Além disso, 63,8% dos estupros reportados à polícia no Brasil foram cometidos contra vulneráveis - casos em que a vítima tem menos de 14 anos e é considerada juridicamente incapaz de consentir uma relação sexual; ou ainda em que o abusado não consegue oferecer resistência, seja por deficiência, enfermidade ou por estar sob o efeito de drogas.

    Mais:

    Colômbia e Argentina seguem exemplo do Brasil na luta contra o feminicídio
    OAB acredita que Lei do Feminicídio vai inibir violência doméstica contra a mulher
    Feminicídio em alta: por que ações de combate não alcançam resultados esperados?
    'Feminicídio político': quem carrega a bandeira de Marielle um ano após sua morte?
    Tags:
    violência, Câmara dos Deputados, misoginia, machismo, Senado, Lei do Feminicídio, feminicídio, estupro
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar