18:40 12 Novembro 2019
Ouvir Rádio
    Helicóptero dos Bombeiros sobrevoando área depois do rompimento de barragem em Brumadinho (MG)

    Vale sabia sobre limite de barragens de Brumadinho 2 semanas antes do desastre, diz jornal

    © AP Photo / Andre Penner
    Brasil
    URL curta
    1 0 0
    Nos siga no

    Executivos da Vale receberam e-mail anônimo com informações sobre as barragens de Brumadinho. Empresa confirmou recebimento do e-mail, mas disse que era "genérico".

    A mineradora Vale recebeu um e-mail anônimo intitulado "A Verdade" que informava que, duas semanas antes do desastre de Brumadinho, as barragens da empresa estavam no limite em uma de suas estruturas. A informação foi publicada em uma reportagem do The Wall Street Journal (WSJ).

    De acordo com a reportagem, o presidente da empresa na época, Fábio Schvartsman, teria buscado identificar o autor do documento, tratando-o como "um câncer".

    Autoridades, que não foram especificadas pela reportagem do WSJ, estariam investigando se a resposta de Schvartsman pode indicar se "uma cultura de retaliação na empresa contribuiu para o colapso de 25 de janeiro em Brumadinho, que matou 270 pessoas, o desastre de mineração mais mortal do mundo em mais de 50 anos".

    A Vale, por sua vez, citada pelo G1, confirmou a existência do e-mail, mas alegou que o documento era genérico e sem provas.

    De acordo com a defesa do ex-presidente da Vale, ele "sempre deu encaminhamento a denúncias recebidas com apontamentos concretos sobre falhas ou desvios, e que o e-mail 'A Verdade' não tratava de fatos específicos ou apontava problemas concretos em barragens".

    A tragédia da Vale em Brumadinho ocorreu no dia 25 de janeiro de 2019, resultando em um dos maiores desastres envolvendo rejeitos de mineração no país. A barragem de rejeitos era controlada pela Vale S.A. O município de Brumadinho está localizado a 65 km de Belo Horizonte, em Minas Gerais.

    Tags:
    Vale, desastre, Mariana, Minas Gerais, Brumadinho
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar