00:51 18 Novembro 2019
Ouvir Rádio
    Manifestantes pró-democracia carregam cartazes que dizem Democracia sempre mais! Ditadura nunca mais! e A nova geração grita: Ditadura nunca mais! durante o ato de 1 de abril de 2015 em Brasília

    PSOL pedirá cassação de Eduardo Bolsonaro por dizer que Brasil pode ter 'um novo AI-5'

    © AP Photo / Eraldo Peres
    Brasil
    URL curta
    678
    Nos siga no

    O deputado federal Marcelo Freixo (PSOL-RJ) declarou na tarde desta quinta-feira que o partido, opositor ao governo do presidente Jair Bolsonaro, pedirá a cassação do colega de Parlamento, Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), que disse que o Brasil pode ter "um novo AI-5".

    "Nós da oposição vamos pedir a cassação de Eduardo Bolsonaro no Conselho de Ética e acionar o STF [Supremo Tribunal Federal]. A apologia do filho do presidente ao AI-5, que significa o fechamento do Congresso e a perseguição de opositores, é um crime contra a Constituição e as instituições democráticas", escreveu Freixo no Twitter.

    ​Em entrevista dada à jornalista Leda Nagle na segunda-feira e publicada nesta terça-feira, Eduardo Bolsonaro afirmou que o Brasil pode viver um "um novo AI-5", caso a esquerda venha a "radicalizar".

    "Tudo é culpa do Bolsonaro, percebeu? Fogo na Amazônia, que sempre ocorre – eu já morei lá em Rondônia, sei como é que é, sempre ocorre nessa estação – culpa do Bolsonaro. Óleo no Nordeste, culpa do Bolsonaro. Daqui a pouco vai passar esse óleo, tudo vai ficar limpo e aí vai vir uma outra coisa, qualquer coisa – culpa do Bolsonaro", argumentou o deputado.

    "Se a esquerda radicalizar esse ponto, a gente vai precisar ter uma resposta. E uma resposta pode ser via um novo AI-5, pode ser via uma legislação aprovada através de um plebiscito como ocorreu na Itália. Alguma resposta vai ter que ser dada", acrescentou.

    A Constituição Federal de 1988 trata logo em seu preâmbulo do chamado Estado democrático de direito, tratando ainda da preservação do "regime democrático, o pluripartidarismo, os direitos fundamentais da pessoa humana" em seu artigo 17. Cabe ao parlamentar, conforme menciona o artigo 3º do capítulo 2 da Resolução 25, de 2001, presente no regimento interno da Câmara dos Deputados, "respeitar e cumprir a Constituição" e "zelar pelo prestígio, aprimoramento e valorização das instituições democráticas".

    O Ato Institucional Número Cinco (AI-5) foi o quinto de 17 decretos emitidos pela ditadura militar nos anos que se seguiram ao golpe de estado de 1964 no Brasil. Considerado o mais duro de todos, ele cassou mandatos de parlamentares contrários aos militares, nomeou interventores em municípios e estados, e suspendeu garantias institucionais, como o habeas corpus.

    Não é a primeira vez que Eduardo Bolsonaro faz sugestões polêmicas e consideradas antidemocráticas. Nesta semana, em discurso na Câmara dos Deputados, o parlamentar já havia sugerido tomar medidas extremas, rumo a uma ditadura, caso a oposição radicalizasse, sem tecer mais detalhes.

    No ano passado, durante a campanha presidencial, um vídeo mostrava o filho do então candidato Jair Bolsonaro sugerindo que, para fechar o STF, seriam necessários apenas "um cabo e um soldado", declaração que gerou forte reação do Judiciário e de vários setores da sociedade civil.

    Mais:

    Líder do PSL no Senado diz que Eduardo Bolsonaro não venceria nem 'cone' em votação
    Eduardo Bolsonaro desiste da indicação para embaixada do Brasil nos EUA
    Grupo do PSL pede expulsão de Eduardo Bolsonaro do partido
    Tags:
    Jair Bolsonaro, PSL, Câmara dos Deputados, política, perseguição, Artur da Costa e Silva, AI-5, ditadura militar, quebra de decoro parlamentar, democracia, cassação, PSOL, Marcelo Freixo, Eduardo Bolsonaro, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar