01:30 18 Novembro 2019
Ouvir Rádio
    Homem passa em frente ao grafite com o rosto de Marielle Franco, vereadora do PSOL assassinada no em março de 2018.

    Ministério Público diz que porteiro mentiu ao citar Bolsonaro no caso Marielle

    © REUTERS / Ricardo Moraes
    Brasil
    URL curta
    Assassinato de Marielle Franco choca o Brasil (38)
    211115
    Nos siga no

    A promotora Simone Sibilio, do Ministério Público do Rio de Janeiro, afirmou nesta quarta-feira (30) que o porteiro que citou o presidente Jair Bolsonaro em seu depoimento sobre o assassinato da vereadora Marielle Franco (PSOL) deu uma informação falsa.

    Durante entrevista coletiva a jornalistas, a promotora disse que a investigação teve acesso à planilha da portaria do condomínio e às gravações do interfone e que ficou comprovado que o porteiro interfonou para a casa 65 e que a entrada de Élcio foi autorizada por Ronnie Lessa, com quem se encontrou, acusado de ser um dos assassinos de Marielle Franco.

    "As gravações comprovam que Ronnie Lessa é quem autoriza a entrada do Élcio. E, em depoimento, eles omitiram diversas vezes que estiveram juntos no dia do crime. O porteiro mentiu, e isso está provado por prova técnica", disse Simone Sibilio, citada pela Revista Veja.

    Segundo Simone Sibilio, o porteiro pode ter anotado que Élcio foi para a casa de Bolsonaro por vários motivos e que eles serão apurados.

    "Todas as pessoas que prestam falso testemunho podem ser processadas", disse a promotora.

    Segundo uma reportagem da TV Globo divulgada nesta terça-feira (29) no dia do assassinato da vereadora Marielle Franco, o ex-policial militar Élcio Queiroz disse na portaria do condomínio que iria à casa de Bolsonaro, na época deputado federal.

    Segundo o depoimento do porteiro à Polícia Civil do Rio, o suspeito pediu para ir na casa de Bolsonaro e um homem com a mesma voz do presidente teria atendido o interfone e autorizado a entrada. No entanto, Queiroz se dirigiu à casa do ex-policial militar Ronnie Lessa, também acusado de ter participado da morte da vereadora.

    Bolsonaro estava em Brasília no dia 14 de março de 2018 e registrou presença em duas sessões na Câmara dos Deputados.

    Tema:
    Assassinato de Marielle Franco choca o Brasil (38)

    Mais:

    Bolsonaro nega envolvimento em caso Marielle e critica vazamento (VÍDEO)
    Caso Marielle pode parar no STF após citação do nome do presidente Bolsonaro
    Carlos Bolsonaro publica suposta gravação de interfone do condomínio onde mora seu pai (VÍDEO)
    Advogado de Bolsonaro diz que presidente é vítima de 'fraude processual'
    Tags:
    Ministério Público, investigações, Assassinato de Marielle Franco, Marielle Franco, Jair Bolsonaro
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar