17:41 12 Novembro 2019
Ouvir Rádio
    Presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, na tomada de posse do novo procurador-geral do Brasil, Augusto Aras, Brasília, 2 de outubro de 2019.

    Pergunta é endereçada a Jair Bolsonaro: 'quem estava na casa 58?'

    © AFP 2019 / Evaristo Sá
    Brasil
    URL curta
    Por
    13307
    Nos siga no

    Na última terça-feira (29), o Jornal Nacional transmitiu uma reportagem que desagradou muito o presidente do Brasil. Trata-se do caso Marielle. O Twitter está conturbado com hashtags de apoio e repúdio ao presidente.

    A reportagem do Jornal Nacional trouxe o depoimento de um porteiro do condomínio no Rio de Janeiro, onde o presidente Jair Bolsonaro possui duas residências. De acordo com o porteiro, um dos suspeitos do assassinato da vereadora Marielle Franco (PSOL-RJ) e do motorista Anderson Gomes teria visitado o condomínio, dando o endereço de Jair Bolsonaro: casa 58.

    O porteiro revelou ter ouvido a voz de Jair Bolsonaro, dando permissão para que o suspeito Élcio Queiroz, apontado como o motorista do carro envolvido no assassinato da vereadora e do motorista dela, entrasse. O funcionário do condomínio apontou ainda ter ligado mais uma vez para a casa de Jair Bolsonaro, para entender por que Élcio tomou outro rumo em direção à outra residência, a casa de Ronnie Lessa, suspeito de ser o responsável pelos tiros que mataram a vereadora e o motorista dela. Na segunda ligação, o porteiro afirma ter ouvido de novo a voz de "Seu Jair".

    O presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, não gostou nem um pouco da reportagem, e da Arábia Saudita fez uma transmissão ao vivo intitulada "Mais uma matéria porca da Globo. Caso Marielle".

    Há momentos da transmissão em que Bolsonaro se exalta, chegando a dizer que a rede Globo "não tem vergonha na cara", pois "respeita bandidos e critica policiais". O vídeo de Bolsonaro já teve quase 500 mil visualizações.

    Enquanto isso no Twitter, hashtags foram criadas, sendo uma de apoio ao presidente e contra a rede Globo – #GloboLixo – e a outra contestando o chefe do Planalto – #QuemEstavaNaCasa58.

    A primeira hashtag, a #GloboLixo, estava no topo dos assuntos mais comentados desta quarta-feira (30), com mais de 246 mil tweets no momento da publicação desta matéria.

    Vale destacar que um dos tweets é do filho do presidente, Eduardo Bolsonaro.

    ​A rede Globo foi chamada de "imprensa canhoto" por apoiador de Bolsonaro, que adicionou um tweet recém-publicado pelo presidente do Brasil.

    ​Há quem acredite que "a bomba explodiu na cara da Rede Globo".

    ​Do outro lado da moeda, se encontra a hashtag #QuemEstavaNaCasa58, que estava com mais de 116 mil tweets no momento da publicação desta matéria.

    A deputada federal Erika Kokay (PT-DF) relembrou as provas que foram usadas pelo então juiz Sergio Moro para incriminar o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

    ​O jornalista William De Lucca perguntou ao presidente Jair Bolsonaro se a insônia seria ocasionada pelo medo.

    ​O Jornal Nacional buscou o advogado do presidente do Brasil, que afirmou que Jair Bolsonaro não conhece Élcio Queiroz.

    Mais:

    Bolsonaro nega envolvimento em caso Marielle e critica vazamento (VÍDEO)
    Caso Marielle pode parar no STF após citação do nome do presidente Bolsonaro
    Polícia do Rio perdeu imagens que poderiam identificar assassinos de Marielle
    Tags:
    Marielle Franco, Assassinato de Marielle Franco, Jair Bolsonaro
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar