17:56 12 Novembro 2019
Ouvir Rádio
    O delegado Waldir, Líder do governo na Câmara, concede entrevista em meio à guerra pela liderança do PSL, na Câmara dos Deputados,

    Líder do PSL diz que Bolsonaro comprou votos

    © Folhapress / Renato Costa/FramePhoto
    Brasil
    URL curta
    21255
    Nos siga no

    O Delegado Waldir (PSL-GO), líder do PSL na Câmara, disse nesta sexta-feira, que o presidente Jair Bolsonaro comprou votos para tentar eleger seu filho na liderança do partido.

    O deputado, em entrevista ao jornal Globo nesta sexta-feira, comentou sobre a disputa interna do partido do presidente para eleger Eduardo Bolsonaro como líder, e que Jair Bolsonaro estaria comprando votos.

    Delegado Waldir confirmou estar de posse do áudio que confirma suas acusações.

    "O áudio que eu falei foi sobre o diálogo que o Brasil todo ouviu em que ele tenta comprar a eleição do filho dele para líder do PSL na Câmara, dizendo que os partidos tem muitos cargos, com fundo partidário, e que ele precisa do controle de tudo isso. É um áudio bombástico", afirmou o parlamentar ao Globo.

    "A gravação é clara. E mais: ontem, os ministros da Educação, Abraham Weintraub, e da Secretaria de Governo, Luiz Eduardo Ramos, estavam ligando para parlamentares pedindo para colocar Eduardo como líder do PSL. É justo isso?", acrescentou o deputado ao jornal.

    Waldir revelou também que o seu partido buscará a cassação do mandato de seis deputados federais do PSL que estão no grupo dos bolsonaristas.

    Para o deputado, o presidente criou muitas inimizades e os seus aliados temem serem descartados da mesma forma que os quadros do início do governo.

    "Não podemos esquecer também que ele chutou Bebianno [Gustavo, ministro-demitido], Santos Cruz [ministro demitido] e Magno Malta [senador cotado para ministro]. Muitas pessoas que estavam com ele levaram chute no traseiro", alertou Delegado Waldir.
    Tags:
    Brasil, delegado, Eduardo Bolsonaro, Jair Bolsonaro, PSL
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar