10:45 18 Novembro 2019
Ouvir Rádio
    Presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, na cerimônia de posse do novo procurador-geral da República, Augusto Aras, no Palácio do Planalto, Brasília, 26 de setembro de 2019

    Bolsonaro dá 'vergonhosa nota zero' para transparência do PSL

    © REUTERS / Adriano Machado
    Brasil
    URL curta
    16713
    Nos siga no

    Ofício assinado pelo presidente Jair Bolsonaro e mais 21 parlamentares do PSL, endereçado ao presidente nacional da sigla, Luciano Bivar, dá "vergonhosa nota zero" para a transparência da prestação de contas do partido. 

    O texto também compara o PSL ao Partido da Causa Operária (PCO) no quesito transparência: "O partido figura como último colocado da série, ostentando a vergonhosa nota ZERO, ao lado do PCO". 

    Bolsonaro e os demais signatários da carta pedem para que a sigla forneça documentos e informações sobre as contas partidárias dos últimos cinco anos, incluindo os dados parciais de 2019. 

    Segundo o ofício, as contas do PSL "encontram-se em situação grave". Os parlamentares citam um ranking feito pela Organização Governamental Transparência Partidária. 

    Entre os autores do documento estão dois filhos do presidente, o deputado federal Eduardo Bolsonaro e o senador Flávio Bolsonaro. O objetivo é auditar as contas para conferir se a aplicação dos recursos públicos recebidos pelo PSL está correta. 

    Com os informações, os advogados do presidente pretendem acionar o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) para pedir eventuais providências à Procuradoria Geral Eleitoral e a órgãos como Receita Federal e Banco Central.

    Crise entre Bolsonaro e Bivar

    Os rumores de que Bolsonaro pode deixar o PSL vem de algum tempo, mas a relação nunca esteve tão estremecida. No dia 8 de outubro, o presidente disse a um apoiador, na porta do Palácio da Alvorada: "Esquece o PSL". Ele também afirmou que Bivar estava "queimado".  

    O deputado federal Luciano Bivar, presidente nacional do PSL, durante evento do partido em São Paulo
    ©Fotoarena/Folhapress
    O deputado federal Luciano Bivar, presidente nacional do PSL, durante evento do partido em São Paulo

    A legenda vive um momento crítico devido às denúncias de que usou candidatas laranjas para desviar verbas. O Ministério Público Eleitoral de Minas Gerais apresentou à Justiça denúncia contra o ministro do Turismo, Marcelo Álvaro Antônio (PSL), e mais 10 pessoas, por crimes relacionados à apresentação de candidaturas de fachada da sigla nas eleições de 2018.

    Bivar, que é deputado federal por Pernambuco, está sendo investigado pelo Ministério Público Eleitoral do estado por suspeitas de caixa 2 em sua campanha. 

    Desfiliação por justa causa

    Após a declaração no Alvorada, Bivar disse que o presidente "já estava afastado do partido" e sua fala tinha sido "terminal". Bolsonaro, por sua vez, disse que "por enquanto" ficaria no partido. 

    Um dos entraves para a saída do presidente da sigla é que os parlamentares que deixarem o partido com ele podem perder seus mandatos. Por isso, a auditoria pedida no ofício está sendo vista como uma possível alegação de justa causa para uma desfiliação sem a perda de cargos. 

    Mais:

    Com 'fora' dos EUA ao Brasil na OCDE, bolsonaristas se reúnem para elogiar presidente
    Suspeitas de 'candidaturas laranjas' são investigadas, diz Moro em referência ao PSL
    Após críticas a Bolsonaro, deputado Alexandre Frota é expulso do PSL
    Fusão de partidos 'nanicos' é vista por Bolsonaro como opção para deixar PSL, diz jornal
    Tags:
    Flávio Bolsonaro, Eduardo Bolsonaro, congresso, Crise, Jair Bolsonaro, Luciano Bivar, PSL
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar