06:42 22 Outubro 2019
Ouvir Rádio
    Turbinas da Usina Nuclear Angra 2, em Angra dos Reis, no Rio de Janeiro (arquivo)

    Para que Brasil precisa explorar urânio?

    © Folhapress/ Luciana Whitaker
    Brasil
    URL curta
    64021
    Nos siga no

    O ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque, anunciou que há planos para a ampliação da exploração do urânio no Brasil e que o Governo Federal estuda quebrar o monopólio estatal no setor.

    Em entrevista ao jornal O Estado de S. Paulo, Albuquerque afirmou que há decisão política para a retomada da exploração de urânio. Albuquerque também defendeu a operação de minas privadas de urânio no Brasil:

    "Operamos usinas nucleares há mais de 40 anos. Não existe problema com o setor privado. Qual a diferença do setor privado e do setor estatal? Nenhuma, desde que se tenha condições de controlar e fiscalizar. Essa discussão é coisa do passado e, se for hoje para o Congresso, não vai haver esse tipo de resistência. Essa é a minha opinião pessoal, até pelo convívio que tenho com o Congresso e diversos parlamentares", afirma o ministro de Minas e Energia.

    Para que empresas privadas explorem as reservas de urânio brasileiras, seria necessário aprovar uma Proposta de Emenda Constitucional (PEC), medida que necessita do apoio de três quintos dos deputados e senadores. 

    Hoje, a exploração do minério radioativo é exclusividade da estatal Indústrias Nucleares do Brasil (INB) e regulada pela Comissão Nacional de Energia Nuclear (CREAN). Sob as regras atuais, as companhias privadas podem explorar urânio apenas quando o minério está combinado com outros elementos. 

    O Brasil é dono da sétima maior reserva mundial de urânio e tem uma mina em Caetité, na Bahia, mas a produção está paralisada desde 2014, afirma O Estado de S. Paulo. O plano do Governo Federal é retomar a produção na região em 2020.

    De acordo com o Mapa de Conflitos da Fundação Osvaldo Cruz (Fiocruz), a mina de Caetité registrou acidentes como vazamento de licor de urânio, ácido sulfúrico e derramamento de pó de urânio, contaminação da água e aumento nos casos de câncer na região. 

    Em entrevista à Sputnik Brasil, o presidente da Associação Brasileira para o Desenvolvimento de Atividades Nucleares (ABDAN), Celso Cunha, ressaltou a importância do urânio e disse que o minério é uma tecnologia da qual o Brasil não pode prescindir. 

    "É uma tecnologia de ponta e não podemos jogar fora por uma série de motivos: ela contribui não só para a geração de energia elétrica. Contribui com a medicina nuclear, com o agronegócio para aumentar a vida perene dos produtos, vários mercados só permitem produtos irradiados", diz Cunha. 

    O presidente da ABDAN também defende o investimento na produção de urânio: "Retomar essa produção significa ter combustível para alimentar nossas usinas".

    De acordo com pesquisa do Departamento Nacional de Produção Mineral (DNPM), o Brasil tem 309 mil toneladas de urânio e um potencial de reservas que pode elevar essa cifra para 900 mil toneladas. 

    Mais:

    Economista: acordo Boeing-Embraer é 'lesivo para o Brasil' e UE tem razão em contestá-lo
    Embaixador da UE no Brasil diz que acordo fará relações com país alcançarem 'novo patamar'
    Acordo China-EUA não fará Brasil diminuir exportação de commodities, diz empresário
    Brasil perdeu US$ 1,4 bilhão em razão de subsídios da Índia aos exportadores de açúcar, diz produtor
    Como carteiros do Brasil e do mundo enfrentam desafios no dia a dia para entregar encomendas
    Tags:
    energia nuclear, Brasil, urânio
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar