13:07 12 Agosto 2020
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    17425
    Nos siga no

    A Decisão do ministro atendeu a um pedido feito pelos advogados de defesa de Flávio Bolsonaro (PSL-RJ).

    O ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal (STF), determinou a suspensão das investigações relacionadas às suspeitas de movimentação atípica de R$ 1,2 milhão nas contas de Fabrício Queiroz, ex-assessor do senador Flávio Bolsonaro (PSL-RJ), filho do presidente Jair Bolsonaro.

    A decisão foi assinada na última sexta-feira (27) e atendeu a um pedido dos advogados de Flávio Bolsonaro de que autoridades do Rio de Janeiro não estariam cumprindo na totalidade decisão de julho do presidente do STF, Dias Toffoli, que determinou em caráter liminar a suspensão de investigações criminais pelo país que usem dados do Coaf sem autorização judicial.

    Gilmar determinou a suspensão do andamento de um Processo Investigatório Criminal e de dois habeas corpus relativo ao caso Queiroz até o julgamento final, pelo STF, que será realizado no dia 21 de novembro.

    "Diante da gravidade dos fatos [...] determino que seja oficiado ao Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP), para a apuração da responsabilidade funcional dos membros do Ministério Público do Rio de Janeiro", escreveu Gilmar Mendes.

    A defesa do filho de Bolsonaro disse que o Ministério Público do Rio utilizou-se do Coaf para criar "atalho" e se furtar ao controle da Justiça.

    Mais:

    Caso Queiroz: Bolsonaro ganhará se agir como Abraão e 'sacrificar filho', avalia analista
    Flávio Bolsonaro diz que parentes de milicianos em gabinete foram indicação de Queiroz
    Queiroz movimentou R$ 7 milhões em 3 anos, diz jornal
    STF suspende investigação sobre Queiroz, ex-motorista de Flávio Bolsonaro
    Morando em bairro luxuoso de SP e um pouco mais magro: web repercute paradeiro de Queiroz
    Tags:
    Supremo Tribunal Federal, Gilmar Mendes, Fabrício José de Queiroz, Flávio Bolsonaro
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar