17:55 12 Novembro 2019
Ouvir Rádio
    Subprocurador Augusto Aras, escolhido pelo presidente Bolsonaro para chefiar a Procuradoria-Geral da República

    Augusto Aras diz que Lava Jato é 'um marco', mas reconhece excessos

    © Foto/ Pedro Ladeira / Folhapress
    Brasil
    URL curta
    215
    Nos siga no

    O subprocurador Augusto Aras, indicado ao cargo de Procurador-Geral da República, participou nesta quarta-feira (25) de uma sabatina da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado.

    Ao ser questionado sobre a Operação Lava Jato, o subprocurador afirmou que a força-tarefa é um importante marco no combate à corrupção, mas destacou que sempre reconheceu os excessos.

    De acordo com ele, a Lava Jato "traz boas referências em torno de investigações, tecnologias, modelos e sistemas, mas é preciso que nós percebamos que toda e qualquer experiência nova traz também dificuldades".

    “Eu sempre apontei os excessos, mas sempre defendi a Lava Jato, porque a Lava Jato não existe per se. A Lava Jato é o resultado de experiências anteriores, que não foram bem-sucedidas na via judiciária”, afirmou o subprocurador Gustavo Aras.

    “Esse conjunto de experiências gerou um novo modelo, modelo esse passível de correções, e essas correções eu espero que possamos fazer juntos, não somente no plano interno do Ministério Público, mas com a contribuição de senadores e senadoras, porque é fundamental que nós aprimoremos o combate, o enfrentamento à macrocriminalidade", acrescentou.

    Augusto Aras também destacou que em sua eventual gestão "não faltará independência", mas observou que é preciso trabalhar com respeito e harmonia com os demais poderes para evitar "confrontos".

    Mais:

    Lava Jato: MPF denuncia Lula, irmão e executivos da Odebrecht por corrupção
    Interino assume PGR e reconduz procuradores do grupo da Lava Jato
    PT não vai obstruir indicação de Aras para PGR, diz líder do partido no Senado
    Tags:
    Senado, CCJ, Lava Jato, Ministério Público
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar