23:10 13 Dezembro 2019
Ouvir Rádio
    Lote queimado é visto na Floresta Nacional de Jamanxim na Amazônia, no estado do Pará, Brasil, 11 de setembro de 2019

    Brasil sem voz na cúpula do clima: retaliação ou falta de dever de casa?

    © REUTERS / Amanda Perobelli
    Brasil
    URL curta
    8205
    Nos siga no

    Dono da maior floresta tropical do mundo, o Brasil foi impedido de discursar na Cúpula sobre Ação Climática da ONU. A Sputnik Brasil ouviu duas vozes sobre a decisão da ONU de tirar o microfone dos brasileiros.

    Com início previsto para a véspera da Assembleia-Geral da ONU, o evento tem como objetivo "aumentar a ambição e acelerar a implementação do Acordo de Paris". 

    O Brasil não irá discursar porque, afirma reportagem da Folha de S. Paulo, a ONU selecionou outros países que enviaram propostas consideradas mais ambiciosas. Também foram vetados Estados Unidos, Arábia Saudita, Japão, Austrália e Coreia do Sul.

    "O Brasil não apresentou nenhum plano para aumentar o compromisso com o clima", disse à Folha de S. Paulo o enviado especial da secretaria-geral da ONU, Luis Alfonso de Alba.

    O presidente brasileiro, Jair Bolsonaro, e os ministros das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, e do Meio Ambiente, Ricardo Salles, já questionaram o aquecimento global.

    Bolsonaro pediu, em novembro de 2018, que o Brasil não sediasse a Conferência do Clima da ONU em 2019, e o evento acabou transferido para o Chile. Salles pretende se reunir nos Estados Unidos com negacionistas do aquecimento global e Araújo já escreveu, em 2018, que o "climatismo" é uma trama para "sufocar o crescimento econômico nos países capitalistas democráticos e favorecer o crescimento da China".

    O advogado e especialista em direito ambiental Fernando Pinheiro Pedro acredita que a exclusão do Brasil do rol dos oradores durante Cúpula sobre Ação Climática da ONU é um "desaforo internacional" e um posicionamento "ideológico e contaminado pelo sectarismo". 

    "Há uma manipulação de ordem política e ideológica de uma questão que deveria ser tratada eminentemente no campo científico", diz Pedro à Sputnik Brasil.

    Ainda de acordo com Pedro, o Brasil é prejudicado por "países europeus comprometidos com o globalismo" por seu posicionamento mais "soberanista e menos globalista".

    Brasil está fora porque não fez a lição de casa

    O diretor de políticas públicas da ONG SOS Mata Atlântica, Mario Mantovani, acredita que a exclusão do Brasil é justa porque o país "não fez a lição de casa". Ele ressalta que os brasileiros são responsáveis pela criação de instrumentos e eventos importantes no campo das políticas climáticas, como a Conferência do Clima e a Conferência da Biodiversidade: "não é coisa de gringo querendo trazer informação para cá", diz.

    "Acho que a ONU está chamando a atenção do Brasil. Ela não proibiu, a condição para se participar desse evento era ter feito o documento", diz Mantovani à Sputnik Brasil. "O Brasil perdeu crédito, habilidade e está colocando em risco nossa economia e nossa sociedade com posturas tão obtusas e atrasadas."

    Mais:

    Na estreia em Bonn, ambientalistas brasileiros cobram compromisso de Bolsonaro nas questões do clima
    Cidades dos EUA podem vir a encarar clima terrível até 2080, alertam ecólogos
    Clima faz Portugal entrar em alerta contra novos incêndios
    Asteroide mudou nosso clima há 2,2 bilhões de anos, segundo cientistas
    Uma cadeira vazia no evento sobre clima do G7: Trump
    ONU veta discurso do Brasil na cúpula do Clima
    Tags:
    Jair Bolsonaro, Conferência do Clima, Organização das Nações Unidas
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar