16:32 15 Outubro 2019
Ouvir Rádio
    Bandeiras do Brasil e dos EUA

    Corte de juros nos EUA pode ser positivo para Brasil, diz especialista

    © AP Photo / Julio Cortez
    Brasil
    URL curta
    1105
    Nos siga no

    Tanto o Copom do Banco Central, no Brasil, quanto o Fed, o banco central dos EUA, anunciaram cortes nas taxas básicas de juros nesta quarta-feira (18). A Sputnik Brasil conversou com o pesquisador Marcel Balassiano sobre o impacto da decisão norte-americana para a economia brasileira.

    O Fed anunciou nesta quarta-feira (18) a diminuição da taxa de juros pela segunda vez em 2019, reduzindo a taxa básica de juros de 1,75% a 2%. Já o Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central do Brasil também anunciou no fim da tarde de quarta-feira reduzir a taxa básica de juros de 6% para 5,5% ao ano.

    O pesquisador da área de Economia Aplicada do FGV-Ibre (Instituto Brasileiro de Economia), Marcel Balassiano, em entrevista à Sputnik Brasil, afirmou que esse cortes nas taxas de juros acontecem dentro de um processo de desaceleração econômica global, mas observou que esta desaceleração não é homogênea.

    "Mas é bom frisar que essa desaceleração da economia global não é homogênea em todos os países. Por exemplo, os EUA estão numa situação econômica melhor que da Europa. O Banco Central ao reduzir a taxa básica de juros tenta estimular mais a economia, diminuindo o custo de vida, estimulando o consumo das pessoas e dando mais dinheiro para as empresas investirem", observou.

    De acordo com ele, quando EUA cortam a sua taxa de juros, "os investidores procuram retornos mais altos de outros países, em especial dos emergentes".

    "Então esse aumento da entrada de dólares no país pode fortalecer a nossa moeda local. Ou seja, isso pode vir a ser positivo para as economias emergentes, para o Brasil em especial", afirmou o pesquisador.

    Marcel Balassiano destacou, no entanto, que um dos riscos para o Brasil é se for concretizada uma desaceleração econômica global.

    "O Banco Central tinha dito que um dos riscos era a desaceleração do cenário externo para as economias emergentes. Ou seja, se o cenário de desaceleração global e a incerteza aumentar, isso pode prejudicar o Brasil", completou.

    Mais:

    Banco Central dos EUA corta juros pela primeira vez em mais de uma década
    Banco Central dos EUA corta taxa de juros pela segunda vez no ano
    Copom anuncia corte da taxa de juros de 6% para 5,5% ao ano
    Tags:
    EUA, Brasil, FED, Copom, Selic, taxa de juros
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar