20:24 13 Novembro 2019
Ouvir Rádio
    Brasil tem terceira maior taxa de juros reais do mundo atrás de Turquia e Rússia

    Dinheiro do FGTS será usado para pagar dívidas pela maioria dos beneficiados

    Marcos Santos/USP Imagens/Fotos Públicas
    Brasil
    URL curta
    202
    Nos siga no

    Praticamente 10 milhões de brasileiros, 38% dos que pretendem utilizar o recurso liberado do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS), devem usar o dinheiro para quitar dívidas.

    Eis a pesquisa realizada pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) e pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil).

    A pesquisa também revele que 45% dos beneficiários têm interesse em fazer o saque, que será liberado nesta sexta-feira. Em média, 42% dos beneficiários das contas do FGTS têm dívidas que não superam R$ 1 mil, informou Agência Brasil.

    Um terço dos beneficiados (33%) pretende guardar ou investir o dinheiro sacado, 24% pretendem realizar despesas básicas do dia a dia e 17% pretender fazer compras em supermercados. A pesquisa revela também que 13% pretendem fazer compras de produtos e serviços e 10% querem antecipar o pagamento de compras que não estão em atraso.

    ​O levantamento aponta que 45% dos trabalhadores que têm direito ao saque pretendem retirar os recursos do FGTS assim que estiverem disponíveis na conta, principalmente as mulheres (52%). Para 43%, não há interesse em fazer o saque no momento.

    A pesquisa foi feita com 800 consumidores de ambos os sexos, de todas as classes sociais e acima de 18 anos em 12 capitais que, juntas, somam aproximadamente 80% da população brasileira. A margem de erro é de no máximo 3,4 pontos percentuais para um intervalo de confiança de 95%.

    Mais:

    Saques do FGTS serão limitados a R$ 500 por conta
    Bolsonaro garante que não vai propor fim da multa de 40% do FGTS
    Economista avalia decisão de Bolsonaro de liberar recursos do FGTS
    Tags:
    dívidas, economia, dinheiro, FGTS
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar