20:44 21 Novembro 2019
Ouvir Rádio
    Ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, no Palácio do Planalto.

    'Não há catástrofe das mudanças climáticas', diz chanceler do Brasil em Washington

    Pedro Ladeira / Folhapress
    Brasil
    URL curta
    679
    Nos siga no

    O ministro de Relações Exteriores do Brasil, Ernesto Araújo, negou nesta quarta-feira que seu país estivesse queimando a Floresta Amazônica e disse que o alarme infundado sobre a mudança climática global está ameaçando a soberania brasileira.

    "Não há catástrofe das mudanças climáticas", afirmou Araújo em uma palestra na Fundação Heritage de Washington. "A partir do debate que está acontecendo, parece que o mundo está acabando".

    Um recente aumento de incêndios na Amazônia, considerado um baluarte contra as mudanças climáticas, causou protestos e críticas internacionais ao presidente brasileiro Jair Bolsonaro por priorizar o desenvolvimento da região em detrimento da proteção das florestas.

    Araújo, que argumentou que havia uma falta de provas científicas sobre as causas do aquecimento global, pontuou que os defensores da mudança climática estão despertando o alarmismo por fins políticos como parte de uma conspiração de esquerda contra os Estados Unidos e o Brasil, cuja soberania está sob ataque.

    Árvores queimadas durante os incêndios florestais na Amazônia (imagem ilustrativa)
    © REUTERS / Bruno Kelly
    Árvores queimadas durante os incêndios florestais na Amazônia (imagem ilustrativa)

    Araújo disse que os incêndios na Amazônia estão na média este ano e que o desmatamento no Brasil é responsável por apenas 2% das emissões globais de CO2. Globalmente, ele acrescentou, o desmatamento é responsável por 11% do total de emissões de CO2.

    "Portanto, mesmo se assumirmos que as emissões de CO2 controlam diretamente a temperatura, o que os modelos de computador não mostram, o Brasil não é o culpado", assegurou.

    Bolsonaro rejeitou como interferência estrangeira as críticas internacionais ao manejo dos incêndios e insistiu que o Brasil desenvolva a Amazônia como julgar conveniente.

    Araújo destacou que o Brasil foi pintado como "um país que está destruindo o planeta" e os críticos estão propondo sanções comerciais contra ele e até uma "invasão".

    Mais:

    Senadores dos EUA dizem que Bolsonaro não protege Amazônia e pedem veto às negociações com o Brasil
    Hipótese de internacionalização da Amazônia fere normas da ONU, diz especialista
    Bolsonaro investirá em campanha mundial de publicidade por Amazônia: 'Brazil by Brasil'
    Tags:
    ciência, diplomacia, mudança climática, desmatamento, incêndio, Ernesto Araújo, Jair Bolsonaro, Floresta Amazônica, Amazônia, Estados Unidos, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar