21:31 13 Novembro 2019
Ouvir Rádio
    Lula, ex-presidente do Brasil

    'Brasil está sendo destruído por traidores', diz Lula ao criticar governo Bolsonaro

    © REUTERS / Paulo Whitaker
    Brasil
    URL curta
    131715
    Nos siga no

    O ex-presidente brasileiro Luiz Inácio Lula da Silva escreveu várias mensagens no Twitter nesta quarta-feira contra a administração do atual presidente Jair Bolsonaro, que ele descreveu como "governo de traidores" e "entreguistass" que "não sabem e não querem defender" a Amazônia.

    "Hoje o país está sendo destruído por um governo de traidores [...] As empresas, os bancos públicos, o petróleo, os minerais e o patrimônio que não lhes pertencem, mas sim ao povo brasileiro", atacou Lula em uma série de 25 tweets para cumprimentar seus seguidores.

    As mensagens publicadas pelo ex-presidente, preso desde 7 de abril de 2018 em Curitiba, foram para saudar os participantes de um seminário "em defesa da soberania nacional e popular", realizado na Câmara dos Deputados e do qual a ex-presidente Dilma Rousseff também participou.

    "Até a Amazônia está ameaçada por um governo que não a conhece e não quer defendê-la; isso incentiva o desmatamento, não protege a biodiversidade ou a população que depende da floresta viva", afirmou Lula, alertando que "o mercado não protegerá um dos maiores territórios do mundo, o subsolo e a plataforma continental; a Amazônia, Cerrado, Pantanal".

    O ex-presidente destacou a criação das empresas estatais Petrobras, Eletrobras, BNDES e grandes empresas siderúrgicas, entre outras, e lamentou que "o que foi construído com o esforço de gerações esteja ameaçado a desaparecer ou ser privatizado em detrimento do país, como fizeram com Telebras, Vale, CSN, Usiminas, a rede ferroviária, Embraer".

    Petrobras

    Para a companhia estatal de petróleo, ele dedicou um espaço especial em seu discurso para denunciar que "está sendo vendido em pedaços para seus concorrentes estrangeiros" e que as autoridades "reduzem a produção de combustíveis aqui para importar em dólares dos Estados Unidos e é por isso que os preços do combustível e do gás disparam para as pessoas".

    Bolsonaro e Trump na Casa Branca.
    © AP Photo / Evan Vucci
    Bolsonaro e Trump na Casa Branca.

    "Bolsonaro entregou nossa política externa aos EUA, deu, em troca de nada, a Base de Alcântara, uma posição privilegiada onde poderíamos desenvolver um projeto aeroespacial brasileiro [...] Reduziu a diplomacia a uma questão familiar e assessores que dizem que a terra é plana", ironizou Lula antes de dizer que Bolsonaro "mudou nossas conquistas na OMC pela ilusão da OCDE, o clube dos ricos que o desprezam" e que "anunciou um acordo com a União Europeia, sem pesar vantagens e perdas, e agora entram em guerra com os europeus para seguir o jogo de [Donald] Trump".

    Ele também disse que "nenhum país nasce grande, mas nenhum país cumprirá seu destino se não construir seu próprio futuro" e instou o povo brasileiro a "seguir seu próprio caminho antes que seja tarde demais para salvar o futuro".

    O líder do Partido dos Trabalhadores (PT) cumpre pena de 8 anos e 10 meses de prisão por seu envolvimento na Operação Lava Jato, iniciada em 2014 para investigar subornos pagos por grandes empresas de construção à empresa petrolífera Petrobras, a fim de obter contratos de obras públicas.

    Como parte dessas investigações, o juiz Sérgio Moro (agora ministro da Justiça e Segurança) condenou em 2018 a mais de 12 anos de prisão a Lula, acusando-o de receber um apartamento no Guarujá (SP) como propina. A sentença impediu o ex-presidente de participar das eleições do mesmo ano, nas quais as pesquisas lhe apontavam como favorito.

    Mais:

    Supremo nega recurso de Lula contra Moro
    Após vazamento, procuradora da Lava Jato pede desculpas a Lula
    Lula vai ao STF por anulação de sentença após revés de Moro em caso Bendine
    Tags:
    Amazônia, Operação Lava Jato, Curitiba, Brasil, Jair Bolsonaro, Sergio Moro, Dilma Rousseff, Luiz Inácio Lula da Silva
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar