11:39 17 Setembro 2019
Ouvir Rádio
    Fernando Haddad, candidato à Presidência pelo Partido dos Trabalhadores (PT), durante coletiva de imprensa no Rio de Janeiro.

    Haddad é condenado por suposta falsidade ideológica eleitoral em campanha de 2012

    © Sputnik / Solon Neto
    Brasil
    URL curta
    244330
    Nos siga no

    A Justiça Eleitoral condenou o ex-prefeito de São Paulo Fernando Haddad a quatro anos e seis meses de reclusão em regime semiaberto por crime de suposta falsidade ideológica na campanha de 2012.

    No pleito de 2012, Fernando Haddad, do PT, foi eleito prefeito com 55,57% dos votos válidos, derrotando José Serra, do PSDB, que ficou com 44,43%. 

    A decisão divulgada nesta terça-feira, do juiz Francisco Shintate, da 1ª Zona Eleitoral, tem como base uma denúncia no âmbito da operação Cifra Oculta, por possível uso de caixa 2, no valor de R$ 2,6 milhões, da empreiteira UTC Engenharia. O valor teria sido repassado a gráficas do ex-deputado estadual Francisco Carlos de Souza, o Chico Gordo, também do PT, que negou ter utilizado o dinheiro na campanha de Haddad. Segundo ele, o pagamento teria sido aplicado nas campanhas de outros candidatos do partido. 

    Segundo nota dos advogados de Haddad citada pelo Estadão, a defesa irá recorrer da decisão de Shintate, que, para eles, não apresenta razoabilidade ou provas, além de ser "nula por carecer de lógica."

    Mais:

    Haddad sobre a eleição: 'Direita venceu a luta na mídia, mas não só no Brasil'
    Haddad: 'Trump e Bolsonaro querem invadir a Venezuela pelo petróleo'
    Campanha de Haddad é multada por impulsionar notícias desfavoráveis contra Bolsonaro
    Crítica de Haddad à 'explosão' de Flávio Bolsonaro contra Hamas gera aviso a palestinos
    Tribunal Superior Eleitoral arquiva investigação de crime eleitoral contra Haddad
    Tags:
    O Estado de S. Paulo, Caixa 2, eleições, Justiça Eleitoral, São Paulo, Brasil, PSDB, Partido dos Trabalhadores, PT, Fernando Haddad
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar