08:22 21 Novembro 2019
Ouvir Rádio
    Os deputados Jair Bolsonaro e Eduardo Bolsonaro falam com a imprensa. Foto de 26 de junho de 2016.

    Consultoria do Senado: indicação de Eduardo Bolsonaro à embaixada dos EUA seria nepotismo

    Agência Brasil / Fábio Rodrigues Pozzebom
    Brasil
    URL curta
    12203
    Nos siga no

    O Parecer, assinado pelos técnicos do Senado, considera que o cargo de embaixador é comissionado, ou seja, a indicação de parentes até o terceiro grau é vetada.

    A Consultoria Legislativa do Senado enquadrou a provável indicação do deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) para a chefia da embaixada do Brasil em Washington como de nepotismo.

    Segundo o documento, o cargo de embaixador é um cargo comissionado comum. Ou seja, os casos de nepotismo são vedados.

    "A proibição se estende a parentes até o terceiro grau, o que, obviamente, inclui filhos da autoridade nomeante, cujo vínculo de parentesco é o mais próximo possível", informou o documento assinado pelos técnicos do Senado e citado pelo jornal O Globo.

    Os especialistas do senado especificam que os cargos políticos mais próximos ao Poder Executivo não precisam obedecer à regra geral dos comissionados.

    O Presidente da Comissão de Relações Exteriores (CRE) do Senado, Nelsinho Trad (PSD-MS) ainda não escolheu o relator para o caso de uma futura indicação.

    "Quando a mensagem chegar, teremos um relator, que terá a incumbência de emitir um relatório, e lá nós iremos ter também um parecer, que poderá ou não acompanhar o relato já dado. Quem avaliará será o colegiado", garantiu Trad.

    Na última quinta-feira, o presidente, Jair Bolsonaro, disse que Eduardo sentirá o momento adequado para enviar ao Senado a indicação, porque é ele quem está conversando com os senadores.

    O voto no colegiado e no plenário é secreto.

    Tags:
    Senado, Eduardo Bolsonaro, Jair Bolsonaro, Embaixada
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar