08:52 12 Novembro 2019
Ouvir Rádio
    Sérgio Moro, ministro da Justiça e Segurança Pública do Brasil (arquivo)

    Polêmicas em torno de Sérgio Moro podem afetar projetos de Segurança Pública do governo Bolsonaro?

    Fábio Rodrigues Pozzebom/ Agência Brasil
    Brasil
    URL curta
    9152
    Nos siga no

    Os vazamentos de conversas entre membros da Força-Tarefa da Lava Jato fizeram com que o ministro Sérgio Moro focasse mais em polêmicas ligadas ao tema, deixando projetos de sua pasta em segundo plano. Mas até que ponto isso pode afetar os projetos de Segurança Pública do governo?

    A principal proposta da gestão de Moro até o momento, o chamado pacote anticrime, vem acumulando derrotas no Congresso e foi deixado de lado publicamente até pelo próprio presidente, Jair Bolsonaro, que foi eleito prometendo dar atenção especial à segurança pública. Na última quinta-feira, o chefe de Estado surpreendeu a todos ao sugerir "uma segurada" nesse projeto, a fim de priorizar o andamento de propostas em outros setores. 

    Para o cientista social Marcelo Castañeda, professor da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), não há, atualmente, qualquer sinal de esforço por parte da base do governo para levar adiante "o único projeto relevante" apresentado pelo atual ministro da Justiça e Segurança Pública do Brasil desde que assumiu o cargo. Em entrevista à Sputnik Brasil, ele afirma que, ao que parece, não existe, na estrutura do governo, "um rolo compressor". Este, segundo o especialista, é formado a cada pauta. 

    ​"Eu não vejo essa mobilização e esse interesse do governo pelo pacote anticrime. Até já se fala que o que virá depois [da Previdência] é a reforma tributária. E o Moro vai ficando esquecido. Eu acho que isso tem, de certa forma, uma relação com o conteúdo vazado, mas o Moro ainda conta com muita popularidade. E, aí, o Bolsonaro fica nesse dilema, acho, de queimar, de fritar o seu ministro agora, pela importância que ele ainda tem", avaliou o pesquisador, acrescentando que, nesse cenário, a tendência seria o ministro se tornar uma figura descartável no futuro.

    Entre as metas do pacote anticrime apresentado ao Congresso estão medidas de combate à corrupção, também uma promessa de campanha de Jair Bolsonaro. Mas Castañeda não vê com grande estranheza a decisão do governo de deixar em segundo plano essas propostas, uma vez que as contradições do próprio presidente nessa área já estariam refletidas em outras ações por ele adotadas, como no caso dos gastos pessoais exorbitantes com o cartão corporativo, envoltos em sigilo. 

    "Eu acho que isso vai acabar sendo uma contradição cada vez mais evidente", disse ele. "E acho que vai acabar se desvendando em algum momento que esse governo não combate propriamente a corrupção."

    Ainda de acordo com o professor da UFRJ, se as polêmicas envolvendo Sérgio Moro atrapalharem de fato o desenvolvimento das ações adotadas pelo Ministério da Justiça e Segurança Pública, quem vai ganhar com isso é a sociedade brasileira. 

    ​"As políticas que ele está apresentando agora, nesse pacote anticrime, são políticas, eu acho, extremamente maléficas. Essa questão da licença para matar, por exemplo, é algo que prejudicaria o contexto de uma sociedade que já é, por si só, muito violenta, principalmente nessa questão da violência policial."

    Mais:

    Moro edita portaria que facilita deportação de estrangeiros
    Moro omitiu palestra remunerada em prestação de contas
    Sergio Moro diz que homens agridem mulheres por se sentirem intimidados
    Moro autoriza uso da Força Nacional contra protestos de estudantes marcados para semana que vem
    Pacote anticrime e anticorrupção de Moro ocasiona enxurrada de tweets a favor
    Especialista sobre pacote anticrime de Moro: 'Peça vazia' com 'erros de principiante'
    Tags:
    Ministério da Justiça, segurança pública, UFRJ, The Intercept, Ministério da Justiça e Segurança Pública, Brasil, Jair Bolsonaro, Sérgio Moro
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar