14:11 20 Agosto 2019
Ouvir Rádio
    Protesto em frente à casa  do coronel reformado Carlos Alberto Brilhante Ustra, chefe do antigo DOI-CODI, em março de 2014

    'Herói nacional': Bolsonaro volta a exaltar coronel responsável por torturas durante a ditadura

    © Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/ Agência Brasil
    Brasil
    URL curta
    16720

    O presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, voltou a exaltar hoje a memória do coronel Brilhante Ustra, chefe do antigo e temido Destacamento de Operações de Informação - Centro de Operações de Defesa Interna (DOI-CODI), um dos principais órgãos de repressão da ditadura militar brasileira.

    Apontado no relatório final da Comissão da Verdade como um dos responsáveis pelas torturas e assassinatos cometidos durante o regime de exceção que perdurou no Brasil de 1964 a 1985, Ustra já tinha sido homenageado por Bolsonaro em 2016, quando, ainda como deputado federal, o agora chefe de Estado votou pela abertura do processo de impeachment da então presidenta Dilma Rousseff, que foi vítima de torturadores durante os chamados anos de chumbo. 

    ​Apesar do mal-estar gerado na época, que lhe valeu um pedido de cassação, protocolado pela Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), por quebra de decoro e apologia à tortura, o episódio se repetiu nesta quinta-feira. Em conversa com jornalistas na saída do Palácio da Alvorada, Bolsonaro, ao comentar o almoço marcado para esta tarde com a viúva do coronel, Maria Joseíta Silva Brilhante Ustra, se referiu ao militar, falecido há quase quatro anos, como "herói nacional". 

    "Tem um coração enorme. Eu sou apaixonado por ela. Não tive muito contato, mas tive alguns contatos com o marido dela enquanto estava vivo. Um herói nacional que evitou que o Brasil caísse naquilo que a esquerda hoje em dia quer", declarou o presidente, em vídeo compartilhado pelo G1.

    Morto em 2015, aos 83 anos, Carlos Alberto Brilhante Ustra tornou-se, em 2008, o primeiro oficial condenado em ação declaratória por sequestro e tortura, por decisão em primeira instância do juiz Gustavo Santini Teodoro, da 23ª Vara Cível de São Paulo. E, em 2012, foi condenado a indenizar por danos morais a esposa e a irmã do jornalista Luiz Eduardo da Rocha Merlino, morto após ser torturado enquanto estava sob custódia do DOI-CODI, em 1971. Esse processo, no entanto, foi extinto no final do ano passado pela Justiça de São Paulo.

    Carlos Alberto Brilhante Ustra, coronel que chefiou o DOI-CODI, órgão de repressão da ditadura brasileira, de 1970 a 1974
    Carlos Alberto Brilhante Ustra, coronel que chefiou o DOI-CODI entre 1970 e 1974

    Estima-se que, durante os 21 anos de ditadura militar no Brasil, entre 400 e 500 pessoas tenham morrido ou desaparecido por razões políticas.

    Mais:

    Bolsonaro: presidente da OAB 'não vai querer saber a verdade' sobre sumiço de pai durante ditadura
    Comemoração do golpe militar de 1964 reabre discussão sobre tortura
    Decreto de Bolsonaro sobre órgão de combate à tortura fere tratado internacional, diz perito
    Justiça extingue condenação por tortura contra coronel Ustra
    Bolsonaro irá se reunir com viúva do torturador Brilhante Ustra
    Tags:
    2016, impeachment, Dilma Rousseff, DOI-CODI, regime militar, ditadura, tortura, Brasil, Jair Bolsonaro, Carlos Alberto Brilhante Ustra
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar