18:56 12 Novembro 2019
Ouvir Rádio
    Polícia no local do tiroteio no shopping Cielo Vista, no Texas

    Especialistas discordam se armas liberadas no Brasil evitariam massacres como os dos EUA

    © AFP 2019 / Joel Angel Juarez
    Brasil
    URL curta
    695
    Nos siga no

    O número de vítimas dos ataques nos Estados Unidos aumentou para 31 nesta segunda-feira (5). O primeiro episódio que ocorreu no Texas, no sábado (3), matou 21 pessoas. No dia seguinte, no domingo (4), em Ohio, um outro homem abriu fogo e deixou 9 pessoas mortas.

    Os ataques deixaram, ainda, 52 feridos, parte deles em estado grave.

    Em pronunciamento feito no dia de hoje, o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, pela primeira vez relacionou a ideologia do supremacismo branco aos ataques. Trump condenou o "racismo, intolerância" que teriam alimentado os atentados.

    "Estas ideologias sinistras precisam ser derrotadas", afirmou. "O ódio não tem lugar na América. O ódio distorce a mente, devasta o coração e devora a alma. Essas matanças bárbaras são um ataque contra uma nação e um crime contra toda a Humanidade", disse.

    Já o presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, também fez um pronunciamento e lamentou os ataques. Durante sua fala, Bolsonaro disse que não se evita ataques a tiros como os dois ocorridos neste final de semana nos Estados Unidos "desarmando o povo".

    "Lamento, já aconteceu no Brasil também. Lamento. Agora, não é desarmando o povo que você vai evitar isso aí. O Brasil é, no papel, extremamente desarmado e já aconteceu coisa semelhante aqui no Brasil", afirmou o presidente na porta do Palácio da Alvorada, em Brasília.

    Em meio à polêmica levantada pelo presidente brasileiro, a Sputnik Brasil entrevistou uma pessoa favorável à liberação das armas e outra contrária.

    Cidadãos armados agiriam em caso de um franco atirador

    Para Vinícius Domingues Cavalcante, comentarista de Segurança Pública, diretor da Associação Brasileira dos Profissionais de Segurança, se o porte de armas fosse liberado no Brasil em caso de situações como essa, teríamos cidadãos treinados para intervir.

    "A gente dispondo de armas e tendo cidadãos que estejam habilitados para utilizá-las, uma situação como a de um franco atirador em um local público, vai ser rechaçada desde um primeiro momento por esses cidadãos", disse à Sputnik Brasil.

    Cavalcante entende que essa foi a intenção da fala do presidente Bolsonaro.

    "A fala do presidente é que a gente possa ter pessoas de bem, pessoas decentes, pessoas honestas, treinadas com as suas armas para intervir nessas situações até porque nós sabemos que a polícia não pode estar em todos os lugares", defendeu.

    Mais armas vão representar mais mortes

    Já a Clarisse Gurgel, cientista política, professora da Faculdade de Ciências Sociais da Unirio, que é contrária a liberação do porte e da posse de armas de fogo, diz que mais armas geram mais mortes.

    "Arma ela tem um único propósito, que é matar. E a gente já está vendo índices alarmantes de mortes por armas de fogo. Se a gente aumenta o número de armas circulando, seja aquele que domina a prática com a arma, seja aquele que não domina, o que vai gerar é inevitavelmente morte ou tentativa de morte", disse à Sputnik Brasil.

    Clarisse Gurgel vê a declaração de Bolsonaro como uma representação de um raciocínio ultrapassado e que não faz mais sentido nos dias de hoje.

    "Infelizmente o presidente Bolsonaro se filia a uma vertente no Brasil que ainda está muito agarrada a um tempo em que essas questões não estavam amadurecidas, hoje já está muito claro que existem outros meios e soluções para questões coletivas, estruturais, que não se resolvem espalhando mortes", defende.

    O número de pessoas assassinadas com armas de fogo cresceu 6,8% no país entre 2016 e 2017, de acordo com dados do Atlas da Violência de 2019, produzido pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) e o Fórum Brasileiro de Segurança Pública (FBSP).

    Mais:

    Negros são vítimas de 75% dos homicídios no Brasil, aponta Atlas da Violência
    Para garantir apoio de Bolsonaro, Maia promete pautar Estatuto do Desarmamento na Câmara
    Trump: tiroteio em El Paso foi 'terrível'
    'Ato de covardia', diz Trump após confirmação de 20 mortes em El Paso
    Quatro tiroteios em questão de dias: marcas de sofrimento nos EUA
    Número de vítimas em tiroteio no Texas sobe para 20
    Tags:
    Jair Bolsonaro, Donald Trump, Estados Unidos, Brasil, armas, tiro, Texas
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar