01:49 29 Janeiro 2020
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    0 10
    Nos siga no

    O Brasil pode ter um número recorde de praias com o certificado internacional Bandeira Azul, promovido pela Foundation for Environmental Education (Fundação pela Educação Ambiental, em tradução livre).

    Ele leva em consideração a qualidade da água e a gestão e educação ambiental. O Instituto Ambientes em Rede, que organiza a seleção no Brasil, prefere não revelar o nome das 14 praias candidatas antes da decisão do júri internacional.

    Estão na lista atualmente a Praia Grande de Caravelas, em Governador Celso Ramos, a Praia do Estaleirinho e a Praia do Estaleiro, em Balneário Camboriú, a Praia de Piçarras, em Balneário Piçarras, e a Praia da Lagoa do Peri, em Florianópolis, em Santa Catarina; a Praia do Tombo, no Guarujá. em São Paulo; a Praia de Ponta Nossa Senhora, em Salvador; e a Praia do Peró, em Cabo Frio, Rio de Janeiro. As informações foram publicadas pela Agência Brasil.

    Os critérios são divididos em quatro temas principais: a qualidade da água; a segurança e os serviços, como a presença de guarda-vida, policiamento, passarelas; a gestão ambiental, como o manejo sustentável de resíduos; e a educação ambiental. Se aprovadas, as praias devem hastear a bandeira azul do programa a partir de novembro, e manter informações educativas à disposição dos banhistas.

    O certificado Bandeira Azul começou na França na década de 1980, criado pela Foundation for Environmental Education e atualmente já são 4,5 mil praias, marinas e barcos de turismo de 45 países que estão certificados.

    No Brasil, além das oito praias, há cinco marinas certificadas em Angra dos Reis, no Rio de Janeiro, Guarujá e Ubatuba, em São Paulo, e Florianópolis e Balneário Camboriú, em Santa Catarina.

    Mais:

    Avião faz pouso de emergência e assusta turistas na praia nos EUA (VÍDEO)
    Jacaré curte praia em dia ensolarado no golfo do México
    Tags:
    verão, Brasil, praia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar