00:14 16 Outubro 2019
Ouvir Rádio
    Alunos da Escola Meimei, vizinha do Hostel Maraca, fazem despedida para atletas Cubanos da Luta Olímpica

    Mais Médicos: Bolsonaro quer volta de cubanos após acusá-los de serem espiões

    Roberto Castro/ME
    Brasil
    URL curta
    16229
    Nos siga no

    O governo do presidente Jair Bolsonaro pretende mudar as regras do programa Mais Médicos, a fim de incorporar alguns dos profissionais cubanos que permaneceram no Brasil após o término da iniciativa, informou a mídia local.

    Segundo o jornal O Estado de S. Paulo, o governo pretende aprovar uma medida em agosto para que pelo menos "2 mil dos 8 mil cubanos que permanecem no Brasil" possam trabalhar no Sistema Único de Saúde (SUS) por um período de dois anos.

    O programa Mais Médicos foi lançado pela ex-presidente Dilma Rousseff em 2013, para levar atendimento médico a regiões isoladas e pobres, e Cuba foi convocada para aliviar a falta de médicos brasileiros.

    O acordo de cooperação foi quebrado pelo governo cubano em novembro passado, em resposta às críticas do então presidente eleito Bolsonaro, que comparou os médicos cubanos a escravos, acusou-os de serem espiões e questionou seu profissionalismo.

    Depois da partida dos cubanos, o Brasil lançou dois editais para preencher as vagas, primeiro para médicos locais formados no país e depois para médicos treinados no exterior.

    No entanto, muitas vagas não foram preenchidas porque muitos médicos desistem do processo, então governadores e prefeitos lamentam que ainda existam centenas de milhares de pessoas sem assistência médica.

    Mais:

    Após 6 meses de Bolsonaro, você se sente mais seguro? Ex-BOPE surpreende na análise
    Bolsonaro até 2026? Presidente fala em reeleição durante evento em Brasília
    'Motivo ideológico' de Bolsonaro pode limitar Comissão de Ética da Presidência, diz especialista
    Tags:
    saúde, Mais Médicos, Dilma Rousseff, Jair Bolsonaro, Cuba, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar